A extração de um dente siso deixou o argentino Lucas Romero fora da lista de relacionados para os jogos contra América, pelo Campeonato Mineiro, e Murici, pela Copa do Brasil. A saúde bucal, porém, não é o maior obstáculo vivido pelo volante neste início de temporada no Cruzeiro.

Titular em boa parte do ano passado, com 39 partidas disputadas, o jogador perdeu muito espaço com o técnico Mano Menezes em 2017. A ponto de o empresário dele, Alberto Stagliano, cogitar uma negociação na próxima janela de transferências, a partir de junho, mesmo que isso signifique uma desvalorização.

“Romero atuou apenas duas vezes neste ano. Isso (reserva) é absolutamente normal no futebol, ainda mais em um clube grande, mas é claro que também não é uma situação agradável”, avaliou, em contato com o Hoje em Dia.

Por outro lado, segundo Stagliano, apenas uma proposta do mercado europeu poderia tirar o volante de 22 anos da Raposa. “A única possibilidade é uma saída para a Europa. Nenhuma das partes acharia interessante a ida para outro clube do Brasil ou da Argentina. Vamos aguardar esses três meses para a abertura da janela e avaliar”, acrescenta.

Propostas recusadas

O discurso do empresário já foi diferente. Em fevereiro, ele chegou a negociar com o Cruzeiro um empréstimo do argentino ao Rosario Central. “Romero seria titular em qualquer parte do mundo, apenas Mano Menezes não vê isso. Conversei com a diretoria, mas só vão liberar uma saída em definitivo”, disse à reportagem na época.

Em janeiro, o Cruzeiro já havia rejeitado uma oferta do Olympiacos, da Grécia, para ter Romero por empréstimo após indicação do então técnico Paulo Bento, ex-treinador da Raposa. A diretoria celeste argumentou que o volante estava nos planos de Mano para 2017. O argentino, porém, só foi a campo em duas das 13 partidas oficiais deste ano, contra Tricordiano e Chapecoense.

Além da boa fase vivida pela dupla titular formada por Cabral e Henrique, o camisa 29 ganhou mais concorrência após as chegadas por empréstimo de Hudson (São Paulo) e Lucas Silva (Real Madrid), por 12 e 18 meses, respectivamente. Envolvido em uma troca pelo atacante Neílton, o ex-tricolor foi cedido com valor fixado e opção de compra ao término do período.

Cláusulas contratuais

Conforme o contrato com o Vélez Sarsfield, revelado pelos argentinos na época, o Cruzeiro é obrigado a negociar Romero se receber uma proposta de 5 milhões de euros (R$ 16,5 milhões) ou mais, o que dificilmente acontecerá caso ele permaneça na reserva. O volante, porém, pode ser vendido por um valor inferior desde que a diretoria do Fortín esteja de acordo – o clube detém os outros 50% dos direitos econômicos.

Por outro lado, o clube mineiro é obrigado a adquirir mais 10% do jogador se ele realizar 40 ou mais partidas oficiais (com no mínimo 30 minutos em campo) durante uma mesma temporada.