Ao menos na teoria, a sorte ajudou os times mineiros na definição dos confrontos das oitavas de final da Copa do Brasil. As bolinhas, que poderiam até mesmo determinar um clássico novamente pela competição (depois da decisão de 2014) apontaram, da lista dos clubes que também disputam a Libertadores – de onde sairia o próximo rival celeste –, o de menor tradição na disputa, a Chapecoense. E, do pote em que estavam os cinco classificados na quarta fase, somados a Atlético-GO, Paysandu e Santa Cruz, o Paraná Clube no caminho alvinegro. Trata-se, no entanto, de apenas um aspecto na complicada equação que envolverá a participação dos comandados por Mano Menezes e Roger Machado na briga por um lugar entre os oito melhores.

Afinal, até mesmo a rivalidade estadual acabou interferindo nos confrontos. Quando as bolinhas voltaram a entrar em ação para definir mandantes dos jogos de ida e volta, já se sabia que, se um mineiro começasse em casa, o outro faria a primeira partida como visitante. O número par beneficiou o Galo, que entrará em campo no Durival de Brito, em Curitiba, para então decidir no Independência. O Cruzeiro receberá os catarinenses no Mineirão, para, em seguida, jogar no caldeirão da Arena Condá.

Não foi o único fator em conta para a logística. O calendário de competições da CBF reserva, para esta fase, seis datas de meio de semana, entre o próximo dia 26 e 31 de maio. E se por enquanto séries A e B do Brasileiro não 'atrapalham', foi necessário conciliar as partidas das equipes pelas competições internacionais, Libertadores e Sul-Americana.

Com isso, o Cruzeiro fará a primeira partida muito provavelmente no dia 3, exatamente na metade entre os dois jogos de uma eventual participação na final do Mineiro (o lado bom é que não terá então de viajar, o que poderia desgastar ainda mais o grupo). Depois, apenas no dia 31 atuará em Chapecó – e aí o maior entrave foi o calendário dos catarinenses, que, no período entrarão em campo três vezes jogando seu futuro na Libertadores.

No caso atleticano, a equipe já teria de atuar entre os dois jogos da final do Estadual – ainda por cima em Warnes, na Bolívia, contra o Sport Boys. Em seguida, com o início do Brasileiro, o time vai engrenar uma pesada sequência de partidas – pega o Paraná dia 10; estreia na Série A contra o Flamengo, no Rio, dia 13, encara o Godoy Cruz, em casa, dia 16; o Fluminense, dia 21, mais uma vez no Horto para, então jogar novamente com os paranaenses.

DOIS CLÁSSICOS
Nos demais confrontos, destaque para Palmeiras x Internacional (que eliminou o Corinthians no Itaquerão na disputa de pênaltis) e Grêmio x Fluminense, que já haviam se encontrado nas fases decisivas ano passado – curiosamente, Renato Gaúcho, hoje comandante do time de Porto Alegre, conquistou a competição à frente de ambos.

Botafogo e Sport também prometem um duelo equilibrado. O Flamengo vai encarar a incógnita Atlético-GO (que está de volta Série A esse ano); o Santos pega o Paysandu (campeão da Copa Verde) e o Atlético-PR terá pela frente o Santa Cruz, campeão da Copa do Nordeste.