Nove rodadas, 40,7% de aproveitamento, mais derrotas que vitórias ( 4 contra 3), 11% de aproveitamento nas três últimas partidas (um ponto conquistado de nove disputados) e distância pequena da zona de rebaixamento (dois pontos). De um time que começou muito bem no Campeonato Brasileiro, com sete pontos em três jogos, agora o Cruzeiro desce ladeira em ritmo acelerado na competição: é o 12º colocado. E alguns detalhes chamam a atenção. 

Coincidentemente as coisas pioraram para a Raposa desde que ficaram constantes as mudanças bruscas nas escalações do time titular. Em nove jogos, o técnico Mano Menezes repetiu o time apenas uma vez de forma consecutiva, fato que aconteceu nas duas primeiras rodadas, na vitória contra o São Paulo (1 a 0) na estreia do Brasileiro, no Mineirão, e no empate (1 a 1) com o Sport na Ilha do Retiro. Desde então, o martírio.

Na terceira partida do Brasileiro contra o Santos, quando a Raposa venceu por 1 a 0 fora de casa, pequenas mudanças na equipe titular foram feitas por Mano Menezes. Alterações pontuais que acabaram surtindo efeito e qualificando o time. Por exemplo, o volante Ariel Cabral entrou na vaga de Rafinha, e Rafael Marques ganhou a posição de Ramón Ábila. 

Na derrota para a Chapecoense na quarta rodada, Mano Menezes iniciou um processo de mudanças radicais, que acabaram interferindo no desempenho do time dentro de campo. Em casa a Raposa caiu diante da Chape por 2 a 0, com nova improvisação na lateral-direita. 

Se nos três primeiros jogos o argentino Lucas Romero ocupou o setor (Ezequiel se recuperava de lesão e Lennon não tinha a confiança do treinador), Hudson acabou assumindo o papel no lado direito. E a partir daquela derrota, o meio-campista, que vinha ganhando espaço, foi ficando esquecido. 

Hudson entrou no decorrer da partida contra o Atlético-GO, mas acabou ficando algumas partidas fora da equipe titular. Isso até esta quinta-feira, quando voltou a ser escalado na derrota para a Ponte Preta, em Campinas, onde Mano escalou uma equipe praticamente reserva e viu sua estratégia ser totalmente frustrada.

Mais problemas

Nem só as mudanças feitas no time pelas convicções do treinador, como escalar Henrique de zagueiro contra o Bahia (jogador foi expulso no início do primeiro tempo) atrapalharam o Cruzeiro nessas nove rodadas do Brasileiro. Problemas de suspensão e lesões também afetaram diretamente o trabalho de Mano Menezes. 

O próprio volante Henrique ficou fora de uma partida para cumprir suspensão automática pela expulsão, e não enfrentou o Atlético-GO, partida que o Cruzeiro acabou vencendo por 2 a 0, em casa. No jogo com o Grêmio, o zagueiro Léo levou o terceiro cartão amarelo e desfalcou o miolo de zaga, um dos setores mais problemáticos da equipe neste começo de campeonato.

Kunty Caicedo já ficou ausente para defender a Seleção Equatoriana, justamente quando o técnico mais precisava de zagueiros. Dedé deixou o time na quarta rodada, coincidentemente no período em que o “trem começou a descarrilar”no Cruzeiro. O jovem Murilo Cerqueira, de apenas 20 anos, foi escalado em partidas de elevado grau de dificuldade, contra o Atlético-GO, em Belo Horizonte, Bahia, em Salvador, Corinthians, em São Paulo, e Ponte Preta, em Campinas. 

Detalhe importante também foi a lesão sofrida por Arrascaeta, um dos pilares do meio-campo cruzeirense. O uruguaio lesionou-se na terceira rodada, na partida contra o Santos. Sem um jogador com as mesmas características no plantel, Mano Menezes precisou apostar na velocidade de Alisson, que ficou sobrecarregado pela quantidade de jogos já realizados no ano, e na experiência de Thiago Neves.

O jovem revelado nas categorias de base correspondeu, enquanto o veterano e uma das contratações mais caras do clube no ano ainda mostra bastante irregularidade. Na última partida em que esteve em campo, no empate contra o Grêmio (3 a 3), foi importante, dando assistência e marcando gol. 

O único jogador que atuou em todas as nove partidas na equipe titular foi o goleiro Fábio. Depois dele, o zagueiro Léo e o lateral-esquerdo Diogo Barbosa fizeram oito partidas cadas no 11 inicial. O volante Lucas Romero (7) aparece na sequência, seguido pelo também volante Henrique, o meia-atacante Alisson, o atacante Ábila e o polivalente Ariel Cabral, todos com seis jogos como titulares. 

O volante Hudson, que chegou a ser um dos preferidos de Mano Menezes na etapa final do Campeonato Mineiro e início do Brasileirão, perdeu um pouco de espaço e fez cinco jogos como titular no Brasileirão. Mesmo número de partidas dos meia-atacantes Rafinha e Thiago Neves. Ezequiel (4 jogos), Rafael Marques (4 jogos), Dedé (3 jogos), Arrascaeta (3 jogos), Kunty Caicedo (3 jogos), Robinho (3 jogos), Murilo Cerqueira (3 jogos), Rafael Sóbis (1 jogo), Lennon (1 jogo), Bryan (1 jogo), Lucas Silva (1 jogo) e Élber (1 jogo) completam a lista de jogadores que já foram utilizados na equipe titular de Mano Menezes.

Veja a lista completa do número de jogos (titular + reserva) de cada jogador no Brasileirão

Fábio – 9 jogos
Lucas Romero 8 jogos
Léo – 8 jogos
Diogo Barbosa – 8 jogos 
Alisson – 8 jogos
Ramón Ábila – 8 jogos
Rafinha – 7 jogos
Ariel Cabral – 7 jogos
Rafael Marques – 6 jogos
Thiago Neves – 6 jogos
Hudson – 6 jogos
Henrique – 6 jogos
Caicedo – 4 jogos
Ezequiel – 4 jogos
Robinho – 4 jogos
Murilo Cerqueira – 4 jogos
Rafael Sóbis – 3 jogos
Lucas Silva – 3 jogos
Élber – 3 jogos
Lennon – 3 jogos
Dedé – 3 jogos
Arracaeta – 3 jogos
Bryan – 1 jogo
Raniel – 1 jogo
Alex – 1 jogo
Sassá – 1 jogo

Mudanças constantes e bruscas no time titular em nove rodadas

Cruzeiro 1 x 0 São Paulo*

Fábio; Lucas Romero (Lennon), Dedé, Léo e Diogo Barbosa; Hudson, Henrique, Rafinha (Lucas Silva), De Arrascaeta e Alisson; Ramón Abila (Raniel)

 

Sport 1 x 1 Cruzeiro*
Fábio; Lucas Romero (Ariel Cabral), Dedé, Léo e Diogo Barbosa; Hudson, Henrique, Rafinha (Rafael Marques), De Arrascaeta , Alisson, Ramón Abila (Alex)

 

Santos 0 x 1 Cruzeiro

Fábio; Lucas Romero, Dedé (Kunty Caicedo), Léo e Diogo Barbosa; Hudson (Ramón Ábila), Henrique e Ariel Cabral; De Arrascaeta (Thiago Neves), Alisson e Rafael Marques.

 

Cruzeiro 0 x 2 Chapecoense

Fábio; Hudson (Lennon), Léo, Kunty Caicedo e Diogo Barbosa; Ariel Cabral (Robinho), Henrique, Rafinha (Ramón Abila) e Thiago Neves; Alisson e Rafael Marques

 

Bahia 1 x 0 Cruzeiro

Fábio; Ezequiel, Henrique, Léo e Diogo Barbosa; Lucas Romero, Ariel Cabral e Robinho (Elber); Thiago Neves (Rafinha), Alisson e Ramón Ábila (Murilo)

 

Cruzeiro 2 x 0 Atlético-GO

Fábio; Ezequiel, Léo, Murilo Cerqueira e Diogo Barbosa; Lucas Romero, Ariel Cabral (Hudson), Robinho e Thiago Neves (Rafinha); Rafael Marques (Alisson) e Ramón Abila

 

Corinthians 1 x 0 Cruzeiro

Fábio; Ezequiel, Léo, Murilo e Diogo Barbosa; Henrique (Alisson), Lucas Romero e Ariel Cabral; Rafinha (Rafael Sóbis), Thiago Neves (Rafael Marques) e Ramón Ábila. 

 

Cruzeiro 3 x 3 Grêmio

Fábio; Ezequiel, Léo, Kunty Caicedo e Diogo Barbosa; Lucas Romero, Ariel Cabral (Lucas Silva), Robinho (Ramón Ábila) e Thiago Neves; Rafael Sóbis (Elber) e Alisson

 

Ponte Preta 0 x 1 Cruzeiro 

Fábio; Lennon (Lucas Romero), Kunty Caicedo, Murilo, Bryan; Hudson, Lucas Silva, Rafinha; Élber e Rafael Marques (Sassá); Ramón Ábila (Rafael Sóbis). 

* única vez em que Mano repetiu o time titular