Uma McLaren movida pelo motor Ferrari. O que poderia ser uma hipótese quase absurda considerando a rivalidade entre as duas equipes mais vitoriosas da história da categoria pode não estar longe da realidade, de acordo com o jornal italiano Gazzetta dello Sport.
De acordo com a publicação, a equipe inglesa, agora não mais sob o comando de Ron Dennis (que vendeu sua participação no império que ajudou a criar, depois de ser destituído do cargo de CEO) procurou a fábrica italiana para negociar o fornecimento de unidades de potência a partir de 2018.

O insucesso da renovada parceria com a Honda, que chega ao terceiro ano sem render sequer um pódio (nos tempos de Ayrton Senna deu os três títulos ao Brasileiro) levou o time a buscar um plano B, que seria a volta do relacionamento com a Mercedes, que chegou a ter participação acionária na McLaren. Como a ruptura, em 2013, foi bastante traumática, um novo acordo é considerado pouco provável.

No ano passado, o presidente da Ferrari e do Grupo FCA, Sergio Marchionne, admitiu a possibilidade de parceria com outro time de ponta, mas conversas com a Red Bull esfriaram porque a casa de Maranello aceitava fornecer apenas motores de especificação mais antiga. Algo que a McLaren dificilmente aceitaria.

Os italianos planejam levar de volta ao circo a marca Alfa Romeo (também do grupo) e poderiam renomear seus motores (também fornecidos a Haas e Sauber), o que daria mais força a uma parceria com a McLaren.

Sauber
A Sauber, por sua vez, pode ver frustrado o já assinado acordo com a Honda para 2018. A direção da fábrica japonesa ficou insatisfeita com a dispensa de Monisha Kaltenborn do cargo de diretora-principal do time suíço, que provocou uma debandada de técnicos e especialistas.

Leia mais:

Fórmula 1 invade as ruas de Londres: o circo vai aonde o público está