Antes da parada da Copa do Mundo o Cruzeiro ainda tem um compromisso agendado, a partida contra o Paraná, nesta quarta-feira, às 19h30, no estádio Durival Britto. Em queda de rendimento, o time de Mano Menezes sofre com a quantidade de partidas disputadas até aqui, o que culmina com uma sequência de lesões no elenco.

Por conta da quantidade de partidas disputadas até agora em 2018 (34), o período em que o calendário dos times da Série A do Brasileirão será interrompido já é aguardado pelos jogadores do Cruzeiro.

“Creio que sim, porque, como a tabela está um pouco cheia, jogos quarta e domingo, acho que essa pausa vai ser boa para dar uma descansada. A parte física vai ajudar bastante. Vai ser bom para todo o grupo. Estamos precisando também, dessa pausa. A gente já fez muitos jogos”, afirma o atacante Raniel.

A queda de produção do Cruzeiro nos últimos jogos faz os números do clube em junho ficarem aquém da estatística de maio. No mês passado o aproveitamento celeste quase atingiu os 90%, já que em oito jogos a equipe estrelada venceu sete e perdeu apenas um. Neste momento a Raposa tem 33,3% de desempenho. E esse rendimento em queda pode ser explicado pela intensa sequência de compromissos e pelos problemas físicos dos atletas.

“A gente sempre cita que no Campeonato Brasileiro o nível é inferior, difícil de acompanhar alguns jogos, mas um campeonato que começa em janeiro e termina em dezembro, quando chega agosto, independentemente da qualidade do grupo e da quantidade de jogadores, você vai ter uma queda muito grande. A gente está vendo isto com seis meses de competição. Nem seis meses completaram ainda até essa parada da Copa e a gente já está tendo essa dificuldade, uma queda, muitos jogadores de fora por lesão, tendo que ser poupado para não ter lesão”, comenta o goleiro Fábio.

Para o compromisso com o Paraná, o técnico Mano Menezes não poderá contar com o lateral-direito Edílson, que cumprirá suspensão automática por ter recebido o terceiro amarelo na derrota por 2 a 0 sobre a Chape. Além do lateral, outros atletas são dúvidas mas por problemas físicos.

O meia Thiago Neves, substituído na partida em Chapecó com dores na panturrilha direita, é uma das possíveis ausências. O meia-atacante Rafinha, que segue se recuperando de problemas no púbis, também não deve atuar. Os volante Mancuello e Ariel Cabral, ambos reservas, também podem ser ausências por questões musculares.

“A gente tem que rever, quem quer um bom futebol tem que ter um bom planejamento, rever o calendário. Se com seis meses de trabalho já está difícil, imagina você manter um campeonato em alto nível de janeiro a dezembro. Tudo é plantado e você colhe as consequências, o treinador tem que dosar, a preparação física. Tudo tem que ser mexido para aquelas ocasiões que você não tem como mais tirar do atleta, isso dificulta bastante”, completa Fábio.

Thiago Neves

A queda de produção do meia Thiago Neves foi motivo de resposta do técnico Mano Menezes aos jornalistas após o jogo com a Chapecoense. O treinador voltou a afirmar que o camisa 30 não está em seu melhor condicionamento.

“Ele voltou de forma emergencial, para suprir a carência do Arrascaeta. A queda física dele nos últimos jogos tem a ver com isso. Sua posição exige arranque, força e explosão para ultrapassar os marcadores. No segundo tempo das partidas, ele tem sofrido mais”, explicou Mano.

Até aqui em 2018, o Cruzeiro disputou 34 partidas, empatou seis, perdeu seis e ganhou 22.