O ano de 2016 chega ao fim mas, para a temporada da Superliga Nacional de Vôlei, é apenas a metade do caminho. E a rodada com partidas hoje e amanhã marca o encerramento do turno da fase classificatória tanto no masculino quanto no feminino – a competição será retomada apenas depois do período festivo. [/TEXTO]
Se para a maioria das pessoas é momento de pensar nas resoluções de ano novo, as equipes entram em quadra hoje para confirmar suas metas imediatas, antes mesmo das comemorações e da pausa.

Entre os homens, o líder Cruzeiro faz mais uma partida complicada, em busca do objetivo de encerrar o turno invicto, que se tornou quase uma obsessão para a equipe celeste. O Sesi, que era considerado o principal teste, ficou para trás, derrotado por 3 a 1 no Riachão. Mas o Brasil Kirin/Campinas, rival de hoje, às 19h30, no Ginásio do Taquaral, também segue firme de olho em um lugar entre os quatro primeiros (está em terceiro), para decidir em casa o playoff pelas quartas de final.

Principal sacador da Superliga, com 15,74% de eficiência, o ponteiro Leal garante que a preocupação com a invencibilidade ficará de lado quando a bola for posta em jogo. “Estamos jogando bem e, apesar do cansaço pela longa sequência, nos superamos a cada partida e cumprimos o objetivo de não desperdiçar pontos. Não vamos pensar nas estatísticas, mas em terminar da melhor maneira. É um adversário complicado e temos de entrar concentrados”, destacou o cubano.

No que será a reedição da final da Superliga e da Supercopa, ambas vencidas pelo time celeste, o Cruzeiro reencontrará várias caras conhecidas, a começar pelo técnico argentino Horácio Dileo, ex-Minas. Na quadra, o levantador Rodriguinho e o líbero Thiago Brendle, ex-Montes Claros, e o central mineiro Maurício Souza, campeão olímpico no Rio.

Terceiro na mira

E uma vitória celeste pode beneficiar outro mineiro, que tem a chance de confirmar a ótima campanha e terminar o turno em terceiro, superando as expectativas da comissão técnica. Montes Claros, que soma um ponto a menos que o Campinas, recebe o vice-lanterna Maringá, às 19h no Poliesportivo Tancredo Neves. Diante dos também paranaenses do Caramuru, fora de casa, a equipe do técnico Marcelinho Ramos mostrou que o tropeço diante do Cruzeiro foi episódio isolado (são sete vitórias, inclusive sobre Sesi e Campinas, e três derrotas). Também às 19h, o Minas, oitavo, recebe na Arena JK o São Bernardo, décimo, disposto a se reabilitar da derrota para o Canoas, no Sul, e consolidar seu posto na zona de classificação. Já o Juiz de Fora, sexto colocado, fecha a rodada amanhã contra o Sesi, em São Paulo.

Meninas também em quadra

Elas já se enfrentaram este ano no mesmo local, mas o desafio das anfitriãs hoje é fazer com que o placar não se repita. Superadas por tranquilos 3 a 0 na decisão da Supercopa, as meninas do Praia Clube voltam a receber hoje o Rexona, de Bernardinho, às 21h55 (Sportv), pela última rodada do turno da fase classificatória da Superliga Feminina. Tanto quanto frear as cariocas, que só perderam uma vez na competição (para o Osasco), um resultado positivo ajudará a equipe de Uberlândia a superar Osasco e Bauru e retomar a vice-liderança. O técnico Ricardo Picinin não conta com a ponteira norte-americana Alix que, contundida, foi liberada para se recuperar no país natal. Às 21h30, na Arena JK, o Minas, sexto colocado, recebe o Valinhos, lanterna, no jogo de fundo da rodada dupla. “Crescemos muito no sistema defensivo, com um bom bloqueio e uma boa defesa. Estamos encontrando o nosso padrão de jogo e temos que mantê-lo, acreditar que nosso time pode”, destaca a ponteira Rosamaria.