O velocista jamaicano Usain Bolt já se decidiu pela aposentadoria após o Mundial de Atletismo deste ano, em Londres, e não vai voltar atrás. Nesta quinta-feira, surgiram informações que o agora dono de oito medalhas de ouro olímpicas - perdeu a dourada do revezamento dos 4x100 metros dos Jogos de Pequim-2008 por causa do doping do compatriota Nesta Carter - poderia competir nos Jogos da Commonwealth, em 2018, mas isso foi logo negado pelo próprio atleta.

Em Melbourne, na Austrália, para participar de um meeting no qual irá liderar uma equipe denominada "All Stars", Usain Bolt ressaltou que não quer saber de competições a partir de 2018. "Vir aqui (na Austrália) na próxima temporada para treinar duro como eu preciso para estar em um nível que eu preciso para ganhar, isso não vai acontecer", disse o jamaicano em entrevista coletiva nesta quinta-feira.

Os Jogos da Commonwealth, que acontecem a cada quatro anos, reúnem países e territórios de origem britânica - a Jamaica é um deles. Em 2014, eles aconteceram em Glasgow, na Escócia, e Usain Bolt ganhou a medalha de ouro no revezamento 4x100 metros. Por isso a esperança dos organizadores de sua presença no ano que vem, de 4 a 15 de abril, na competição que acontecerá na cidade de Gold Coast, na Austrália.

No meeting na Austrália, chamado de Nitro Athletics, Usain Bolt irá competir com sua equipe - formada também pelos seus compatriotas Asafa Powell e Michael Frater, além de Jenna Prandini, Ryan Wilson e Kerron Clement, três competidores norte-americanos - contra outros quatro times de atletas que representarão Inglaterra, China, Nova Zelândia e Japão, respectivamente. "Será muito bom. É como o críquete, será diferente. Eu sinto que vai trazer muita coisa boa para o esporte", afirmou o jamaicano sobre a forma de disputa da competição, que será neste sábado.