O Cruzeiro, em eleição acirrada nesta segunda-feira (2), elegeu seu novo presidente, o empresário Wagner Pires de Sá, para o triênio 2018, 2019 e 2020. À frente do clube o novo mandatário terá, dentre outras responsabilidades iniciais, definir a permanência do técnico Mano Menezes, cujo contrato com a Raposa se encerra ao fim deste ano.

Em seus primeiros minutos como vencedor da eleição presidencial, Wagner Pires de Sá preferiu exaltar o atual gestor do clube, e, em respeito a Gilvan, preferiu deixar o assunto para ser definido em breve.

"O presidente do Cruzeiro ainda é o Gilvan de Pinho Tavares, não posso interferir na administração dele. Vamos conversar e, com certeza, chegaremos a um acordo”, disse.

Campeão da Copa do Brasil com o Cruzeiro neste ano, título que rendeu o penta ao time celeste, Mano já se pronunciou sobre o assunto, e esperava justamente a definição do novo presidente para que houvessem conversas.

Apesar de ter se esquivado da resposta, Wagner Pires de Sá sabe que é importante manter o treinador no comando da equipe.

“Eticamente não posso responder por isso (renovação do contrato de Mano Menezes). Mas, logicamente, em time que está vencendo, não se mexe", cravou, dando a entender que as conversas podem ser iniciadas em breve.