O norte-americano Sam Querrey desbancou o favoritismo de Andy Murray nesta quarta-feira (12) ao vencer o britânico por 3 sets a 2, com parciais de 3/6, 6/4, 6/7 (4/7), 6/1 e 6/1, em Londres, e garantir vaga na semifinal de Wimbledon. Apenas o 24º cabeça de chave da competição, ele eliminou o atual campeão e ainda encerrou um jejum para o seu país, pois se tornou o primeiro tenista dos Estados Unidos a avançar à penúltima fase de um torneio de simples masculino de um Grand Slam desde 2009, quando Andy Roddick foi finalista justamente de Wimbledon e acabou derrotado por Roger Federer na decisão.

Batido anteriormente em sete dos oito confrontos anteriores que fez com Murray, que neste ano já havia eliminado o norte-americano do Aberto da Austrália, Querrey não se intimidou com a torcida em peso para o britânico na quadra central do importante evento inglês realizado em quadras de grama e triunfou nesta quarta em uma partida na qual esteve por duas vezes em desvantagem de um set no placar e durou 2h41min.

Atual 28º colocado do ranking mundial, o norte-americano havia sido arrasado por Murray no encontro anterior entre os dois em um Grand Slam, no Aberto da Austrália deste ano, mas agora se credenciou para enfrentar na semifinal o croata Marin Cilic, sétimo cabeça de chave, que também triunfou em uma batalha de cinco sets contra o luxemburguês Gilles Muller, surpreendente algoz de Rafael Nadal nas quartas de final, mas que agora sucumbiu em um duelo que teve parciais 3/6, 7/6 (8/6), 7/5, 5/7 e 6/1.

Antes de Querrey vencer o jogo mais importante de sua carreira e reavivar na memória dos torcedores norte-americanos os tempos de glória de tenistas do seu país em torneios de Grand Slam, entre eles Pete Sampras, sete vezes campeão de Wimbledon, Murray chegou a dar a impressão de que voltaria a atropelar o seu adversário ao começar a partida desta quarta com tudo. Sem ter o seu saque ameaçado por nenhuma vez, o britânico ainda aproveitou uma de duas chances de quebrar o serviço do adversário para abrir vantagem e depois fechar o primeiro set em 6/3.

Na segunda parcial, Murray voltou a conseguir uma nova quebra, mas o norte-americano converteu dois de três break points e, com um deles, fez o 6/4 que empatou a partida. E o equilíbrio prevaleceu na terceira parcial, na qual cada tenista soube aproveitar a única oportunidade de quebra que teve e assim eles forçaram a disputa do tie-break, no qual o britânico foi arrasador no início ao abrir 6/1 e depois liquidou a fatura em 7/4.

MURRAY SOFRE E CAI - O que se desenhava novamente como uma nova vitória de Murray, porém, mudou radicalmente de quadro a partir da quarta parcial. Sofrendo com dores no quadril que o atrapalharam já nas semanas anteriores a Wimbledon, o britânico passou a ser dominado por Querrey. O tenista dos EUA confirmou todos os seus saques neste set e ainda converteu três de quatro break points para fazer 6/1 e empatar novamente o duelo.

Prejudicado pelo problema físico que o impedia de jogar o seu melhor tênis, Murray voltou a ser arrasado no quinto e decisivo set. O norte-americano aproveitou duas de quatro oportunidades de quebra, abriu 5/1 e depois foi para o saque no sétimo game da parcial para fechar a partida. Com Murray exibindo dificuldades para se movimentar em quadra, ele logo abriu 40/0 e teve três match points. O britânico ainda salvou o primeiro com uma linda e improvável passada, mas depois o norte-americano garantiu a vitória com um ace, nada menos do que o seu 27º no confronto.

Ao somar estes 27 pontos de saque a outras 53 bolas vencedoras, Querrey contabilizou 70 winners ao total, contra apenas 33 do britânico. Assim, o norte-americano pôde se dar ao luxo de cometer 30 erros não forçados, enquanto o escocês somou 19.

Ao bater Murray, Querrey também encerrou um longo tabu pessoal, pois essa foi a sua 42ª tentativa de avançar à semifinal de um Grand Slam. Ao fracassar nas 41 anteriores, ele amargou o recorde negativo de insucessos em quartas de final deste tipo de torneio, superando as 38 eliminações nesta mesma fase sofridas pelo australiano Mark Woodforde, ex-tenista que chegou a ser o 19º colocado da ATP.

Murray, por sua vez, viu ruir o sonho de conquistar, em 2017, o seu terceiro título de Wimbledon após ter erguido o troféu de campeão em 2013 e no ano passado.