Agora é oficial. Depois de muitas especulações envolvendo o futuro de Róger Guedes, o Atlético confirmou, na tarde desta quinta-feira (12), que o atacante acertou com o Shandong Luneng, da China.

Segundo a assessoria de comunicação, o clube vai receber 2,5 milhões de euros, que correspondem a 27% do total da negociação. Desse modo, o valor total da transferência seria pouco superior a 9,26 milhões de euros (aproximadamente R$ 41,96 milhões).

Emprestado pelo Palmeiras até o final de 2018, o Atlético tinha direito a receber 5% como taxa de vitrine, caso o jogador fosse negociado pelo time paulista antes do fim do vínculo com o Atlético.

LEIA MAIS

Roger Guedes rescinde contrato com o Atlético e deve atuar ao lado de Tardelli na China

Segundo a assessoria, a negociação não tem qualquer ligação com a situação do lateral Marcos Rocha, emprestado com passe fixado ao Palmeiras até o final da temporada.

O atacante foi liberado pela diretoria do treinamento dessa quinta-feira para resolver “problemas pessoais”. A rescisão do vínculo do jogador com o Atlético foi publicada no meio da tarde, no Boletim Informativo Diário da CBF (BID).

Pelo Atlético, Guedes fez 28 jogos e marcou 13 gols. Foram 14 vitórias, 8 empates e 6 derrotas. Ele, inclusive, é o artilheiro do Campeonato Brasileiro, com 9 tentos anotados.

Aumento do percentual  

Segundo o portal Globoesporte.com, o fato de o Palmeiras não ter notificado com antecedência o Atlético da proposta do time chinês, fez com que o Galo recebesse um percentual maior do valor da negociação. 

A explicação é de Paulo Pitombeira, empresário de Róger Guedes, que destaca que o Atlético teria prioridade em igualar a proposta pelo atacante, e contrata-lo em definitivo. 

Como a oferta do Shandong Luneng chegou "em cima da hora", e teria que ser concretizada com urgência, já que a janela de transferências para o futebol chinês se encerra nesta sexta-feira, Palmeiras e Criciúma - detentores dos direitos econômico de Guedes, optaram em ceder um valor maior do que o previsto ao Atlético, temendo que o negócio não fosse consumado.