A Red Bull anunciou nesta terça-feira, (19), que passará a contar com motores da Honda nas próximas duas temporadas da Fórmula 1. Desta forma, ao fim de 2018 se encerrará uma parceria de 12 anos entre a escuderia e a Renault, que juntas conquistaram quatro títulos mundiais de pilotos e quatro de construtores.

"Será uma nova fase empolgante", afirmou o presidente da Red Bull Racing, Christian Horner, em comunicado. "Depois de cuidadosa consideração, temos certeza de que essa parceria com a Honda é a direção certa para nossa equipe seguir", disse o executivo.

"Ficamos impressionados com o compromisso da Honda com a Fórmula 1, visto o rápido desenvolvimento nos últimos tempos junto à Toro Rosso", comentou Horner, com menção à parceria da fabricante de motores com o time subsidiário da Red Bull, iniciada em 2018.

"O alinhamento da Honda com nossas duas equipes tem enorme potencial. A Honda terá acesso a toda nossa base de dados, com prioridade para a Red Bull, assim as oportunidades para um desenvolvimento rápido, mais eficiente e mais competitivo serão dobradas", explicou.

Apesar do desgaste entre Red Bull e Renault, que perdeu competitividade em comparação com os motores da Mercedes nas últimas cinco temporadas, Horner elogiou a fabricante francesa. "Tivemos nossas diferenças, mas a Renault trabalhou sem descanso para fazer o melhor possível e nos tornar uma unidade competitiva", disse o executivo.

A Renault seguirá disputando o Mundial de Fórmula 1 nas próximas temporadas com sua equipe própria e fabricando motores para a McLaren. O fornecimento para a equipe inglesa começou em 2018, após três temporadas de maus resultados do conjunto formado por McLaren e Honda.

 

Leia mais:
Vettel vence de ponta a ponta no Canadá e ultrapassa Hamilton na liderança da F-1
Após ameaçar jornalistas, Verstappen lidera 1º treino livre no Canadá