O gramado ruim do estádio Nicolás Leoz foi um tema bastante tocado pelo técnico Roger Machado na entrevista pós-derrota para o Libertad, na Copa Libertadores. O tropeço do Atlético por 1 a 0 para os paraguaios, nesta quarta-feira, foi debaixo de chuva. Algo que, para Roger, condicionou uma "atuação abaixo" do Galo, que pouco ameaçou o time adversário.

"Se teve alguém que conseguiu lidar melhor com o gramado pesado que impossibilitava trocar passes eficientes, foi o adversário, que conseguiu no primeiro tempo ter domínio maior (...) A chuva que caiu no começo do jogo que impossibilitou de forma geral o nosso desenvolvimento. Um jogo abaixo, principalmente no primeiro tempo. Muito em função de a gente não ter conseguido jogar num gramado bastante pesado", afirmou o treinador alvinegro.

O Galo "ressuscita" o Libertad, que não havia vencido ainda no grupo 6 da Copa Libertadores. Basicamente, a equipe mineira não assustou o goleiro do Libertad, a não ser em uma chegada de Rafael Moura, na qual o arqueiro aproveitou para gastar o tempo no atendimento médico.

Para Roger, mesmo diante de atuações ruins do Atlético, como foi na semifinal do Campeonato Mineiro, contra a URT, e até mesmo em boa parte do duelo contra o Sport Boys, semana passada, o trabalho a frente do clube é bem desenvolvido e que trabalha com um grupo de jogadores capazes de terminar a fase de grupos em primeiro lugar. 

"A gente analisar o contexto geral e acreditar que o trabalho ta sendo de alguma forma bem desenvolvido. Perder na Libertadores não é algo assombroso. Temos grupo para ser líder da competição e entramos como favoritos pelo talento do nosso elenco. É continuar trabalhando, continuar com a confiança de todos e acreditar no grupo que temos. Não acredito que grupos vitoriosos se constroem em calmaria", completou Roger.