O objetivo da terça-feira não era buscar a volta mais rápida com pneus novos e pouco combustível, mas entender o comportamento do Dallara-Mecachrome – uma máquina de 612 cavalos com dispositivos como o DRS, a asa traseira móvel que diminui o arrasto aerodinâmico quando acionada. Justamente por isso, não foi estranho ver o mineiro Sérgio Sette Câmara no extremo inferior da folha de tempos dos testes em Barcelona, com todos os motivos para satisfação. Ele e a equipe holandesa MP Motorsport aproveitaram o dia para fazer simulações de corrida, que incluíram paradas para troca de pneus, algo a que o único representante brasileiro na Fórmula 2 (denominação retomada para a antiga GP2) não está acostumado.

"Estamos crescendo passo a passo", destacou o piloto de Belo Horizonte, animado com a adaptação ao novo equipamento. E o bom desempenho do companheiro de equipe, o experiente Jordan King, sexto mais rápido entre os 20 carros na pista, mostrou que a equipe MP tem um bom acerto de base também em condições de qualificação, algo fundamental numa categoria em que décimos de segundo a mais costumam representar a perda de várias posições no grid. O trabalho de Serginho na pista espanhola termina nesta quarta (15), com a primeira rodada dupla do campeonato na preliminar do GP do Barein de F-1, dias 15 e 16 de abril.