A situação não é nova para o Sada Cruzeiro nas semifinais da Superliga, mas traz um agravante. Se sexta-feira, no Poliesportivo do Riacho, o time comandado pelo argentino Marcelo Méndez já estava obrigado a vencer para evitar a eliminação – e fez bonito, batendo o Taubaté por 3 a 0 –, desta vez o desafio será repetir o feito como visitante, às 19h, no Ginásio do Abaeté.

Só assim o grupo estrelado mantém vivo o sonho do hexa, com a chance de decidir a classificação às finais sexta-feira, novamente diante de sua torcida.
Para jogadores e comissão técnica, apenas na terceir a partida os pentacampeões da Superliga conseguiram mostrar seu verdadeiro vôlei, o que, se repetido hoje, pode assegurar a igualdade e adiar a definição. Todos esperam, no entanto, muita dificuldade do outro lado da quadra, a começar pela força do ex-celeste Wallace, principal pontuador da competição (441).

“ Não será fácil, pois Taubaté vem jogando bem, mas vamos para cima, para fazer o nosso melhor e buscar a vitória. Nosso time mostra superação o tempo todo, estamos envolvidos e motivados para buscar o resultado positivo”, garante o treinador estrelado.

Se jogar “no fio da navalha” e sem direito a erros pode ser perigoso num confronto do tipo, a experiência e a maturidade dos jogadores celestes é justamente o que faz acreditar em nova vitória. Tanto individual quanto coletivamente, o que não falta na equipe do Barro Preto é o costume de lutar por títulos e fazer partidas decisivas, muitas vezes saindo de placares desfavoráveis.

Ao longo de seus oito anos de existência, o Cruzeiro conquistou 27 títulos em torneios oficiais.

“Somos uma equipe vencedora, com jogadores muito experientes, e esse tipo de jogo é muito bom de se jogar. Vamos buscar. Temos a chance de fazer diferente das duas primeiras partidas e a motivação tem que ser maior ainda, por tudo o que representa esta partida e a oportunidade de reverter o placar e levar a decisão para nossa casa”, afirmou o central Isac.

Do outro lado, o antes ídolo e agora rival Wallace espera aproveitar a oportunidade para selar a classificação diante da torcida. “Sabíamos que não ia ser fácil fazer três jogos como fizemos no primeiro e no segundo, mas temos novamente a chance de nos impor em casa”.

Só esperando
O outro finalista da temporada foi definido já na terceira partida da melhor de cinco. Depois de enfrentar maior dificuldade em seu ginásio (vitória por 3 a 2), o Sesi-SP, do levantador William Arjona não tomou conhecimento do Sesc-RJ, do técnico Giovane Gávio, vencendo duas vezes por 3 a 0 na Arena Carioca.

Com a classificação antecipada, a equipe do técnico Roberley Leonaldo, o Rubinho, se beneficiou com o tempo extra de preparação e recuperação física para as finais, previstas pela CBV para os dias 29 deste mês e 6 de maio.