Em abril deste ano, o zagueiro Dedé ficaria sem contrato com o Cruzeiro, pois ele chegou em 2013 com um vínculo de quatro anos. Mas em dezembro do ano passado aconteceu a renovação, até dezembro do ano que vem, apesar de o jogador não ter entrado em campo em 2015 e ter disputado apenas seis partidas em 2016, por causa das seguidas lesões nos joelhos.

Nesta quarta-feira (9), o clube divulgou que uma ressonância magnética feita no joelho esquerdo de Dedé no início da semana mostrou que o edema ósseo que afasta o zagueiro dos gramados persiste.

Diante desse quadro, o médico Sérgio Freire Júnior disse aos jornalistas que o clube optou por afastar por tempo indeterminado Dedé de todas as atividades, até mesmo da fisioterapia, até que o seu quadro melhore.

O assunto Dedé é tratado com extrema cautela pelo Cruzeiro, principalmente pelo respeito que todos têm pelo atleta e pelo profissional, pois ele atravessa um longo período de dificuldade, mas se mantém firme.

A renovação do contrato aconteceu num período em que ele já poderia assinar com outro clube e sair de graça. E haviam interessados. Naquele momento, Dedé estava próximo do retorno aos gramados, que aconteceu no início deste ano, e teve uma atitude que foi valorizada pela diretoria celeste. Ele se recusou a conversar com qualquer outra equipe, apesar de poder firmar um vínculo, pois faltavam menos de seis meses para o final do seu contrato.

Há ainda outro motivo para a renovação de Dedé, que foi dar tranquilidade ao atleta para que ele pudesse cuidar da sua lesão.

O afastamento de Dedé por tempo indeterminado das atividades nesta quarta-feira foi um golpe para o jogador e o clube. E o menor dos problemas, neste caso, é ter que pagar os salários. Pela sua qualidade, o Cruzeiro quer o seu camisa 26 em campo.