Apesar de toda a aposta do presidente Sérgio Sette Câmara e do diretor de futebol Alexandre Gallo na força do grupo de jogadores do Atlético para encarar as competições de 2018, a entrevista da manhã desta sexta-feira (9) na Cidade do Galo deixou claro que a prioridade na temporada é colocar as contas do time em dia.

Esta certeza partiu de uma deixa de Gallo para Sette Câmara quando ele foi questionado sobre a real qualidade do grupo atleticano, montado em sua maioria por jogadores contratados que eram reservas em seus clubes ou por atletas que estavam emprestados e retornaram.

“Desde as primeiras entrevistas falamos que este é um ano de ajustes, de pés no chão, mas mesmo sendo um ano desses conseguimos qualificar a nossa equipe, mas preferia que o presidente falasse desse assunto administrativo”, afirmou Gallo.

DESABAFO

E Sette Câmara fez um desabafo. E a entrevista para se tratar da demissão de Oswaldo de Oliveira acabou tendo como melhor parte a declaração do presidente do momento atleticano do ponto de vista financeiro.

“É necessário ter muita responsabilidade para estar sentado na cadeira de presidente e sair fazendo contratações, pagamentos. O Atlético hoje tem um endividamento preocupante. Se eu saísse fazendo contratações a torto e à direita, estaríamos com folhas atrasadas no meio do ano. Posso garantir a vocês que teremos clube passando aperto este ano. Se não fosse o passado, seríamos até superavitário. Se você não rompe isso, vira uma bola de neve e uma hora estoura. É um endividamento importante que vamos tentar reduzir nesses primeiros meses. O Flamengo colocou o pé no freio, eles acertaram as suas contas e agora voltaram ao mercado. Se não fizermos isso, não estamos pensando nos torcedores do Atlético do amanhã. Estou acostumado com isso. Toda hora chega empresa no meu escritório precisando de ajuda, recuperação. Por isso a gente não pode fazer a loucura de contratações mirabolantes. Conseguimos fazer contratações sem gastar um centavo. Essa é a realidade do Atlético. Não vamos fazer contratações, aumentar a dívida. Está entrando uma nova era. Jogadores novos, da base”, garantiu o presidente atleticano.

O dirigente destacou ainda a importância que a Arena MRV, estádio que clube pretende começar a construir ainda no primeiro semestre deste ano, pode ter nesse processo de recuperação financeira do clube, pois ele garante que toda a obra será feita sem acarretar o orçamento anual e toda a exploração será do Atlético, já que não há parceiros no empreendimento.

“O futebol brasileiro terá no futuro três ou quatro potências entre seus clubes. E o Atlético será uma delas”, garantiu Sérgio Sette Câmara, deixando à torcida a promessa de que o Galo em 2018 não será a cigarra, mas a formiga.