Após a derrota por 1 a 0 para a Argentina em amistoso realizado nesta sexta-feira em Melbourne, o técnico Tite concedeu entrevista coletiva e confirmou que o atacante Gabriel Jesus precisou ser encaminhado a um hospital da cidade australiana depois de ter levado uma forte pancada na cabeça em choque com Otamendi no finalzinho do segundo tempo do confronto.

O treinador admitiu que ainda não havua recebido informações mais precisas do departamento médico da seleção brasileira, mas minimizou a importância do problema. "Gabriel está indo para o hospital, teve uma batida, ficou um pouco desacordado e tem um pequeno corte no rosto. Chequem esta informação, mas em um primeiro momento não pareceu ser algo grave", afirmou o comandante aos jornalistas no Melbourne Cricket Ground, palco do duelo entre brasileiros e argentinos.

Por causa da pancada na cabeça, o atacante do Manchester City precisou ser substituído por Taison, mas Tite negou que tenha visto maldade de Otamendi no lance ou em qualquer outra disputa entre os jogadores das duas seleções durante o amistoso. "Não teve nenhum momento desleal, mesmo com o Gabriel. O jogo foi intenso, mas sem deslealdade", ressaltou.

Já ao ser questionado sobre o aproveitamento ou não de Gabriel Jesus no amistoso da próxima terça, contra a Austrália, na casa do adversário, o treinador disse que só poderá confirmar a presença do atacante no duelo após saber da real condição do jogador, que será revelada nos exames aos quais o atleta será submetido.

"A escalação do Gabriel vai ter um custo, que é o custo da saúde, vamos ter uma avaliação médica para poder utilizá-lo", enfatizou o comandante, que também lamentou o fato de que o atacante, e outros jogadores do Brasil, desperdiçaram boas oportunidades de marcar gols contra os argentinos. Uma chance perdida por Gabriel, que chutou a bola na trave após a finalizar de muito perto da meta, foi a melhor que o time nacional teve durante o amistoso.

"Poucas foram as oportunidades da Argentina e em maior número foram as nossas... E uma das coisas que iremos trabalhar é ter uma precisão maior nas finalizações. Seguramente esse é um dos aspectos que dá pra melhorar. Se tivemos finalizado e o Romero eito três ou quatro defesas, teríamos tido precisão, mas não foi esse o caso", analisou, para pouco depois destacar: "O Brasil precisa melhorar (no aspecto ofensivo) e traduzir isso (as boas atuações) em gols".