Não há como falar em motociclismo fora de estrada no Brasil sem lembrar automaticamente do Enduro da Independência. Antes que modalidades como os ralis cross-country e o próprio Enduro FIM (velocidade) ganhassem espaço e praticantes, o Independência era o principal desafio sobre duas rodas no país.

Uma tradição iniciada como forma de lembrar os caminhos feitos por Dom Pedro pelas Minas Gerais que se perpetuou ao longo dos anos, reunindo desde os mais destacados nomes do enduro de regularidade aos treieiros de fim de semana, que ganham a chance de testar os próprios limites. Passando por trilhas e percursos que se renovam a cada edição.

Desta vez, nos 35 anos da prova, a inspiração veio da fé. Pela primeira vez o Independência largará de Aparecida do Norte (SP), onde, em 1717, foi encontrada a imagem daquela que seria a padroeira do Brasil, hoje celebrada com um Santuário. É é justamente o enduro a abrir as comemorações pelos 300 anos da data, com direito a largada da Basílica, que ganhará o colorido de homens e máquinas na quarta-feira.

Não será a única novidade da prova – aliás, o próprio percurso é totalmente inédito, ao atravessar uma das vertentes mais difíceis da Serra da Mantiqueira, com trilhas pesadas, muitas subidas e trechos pedregosos, especialmente nas proximidades de São Tomé das Letras e Luminárias.

Com vários trechos em mata fechada, chuva e umidade podem ser dois adversários a mais para os 300 pilotos (limite estabelecido pelo Trail Clube Minas Gerais), que serão antecedidos por duas feras do motociclismo brasileiro: o paulista Jorge Negretti e o mineiro Massoud Nassar, donos de vários títulos no motocross, e que aceitaram o convite para abrir a trilha para o pelotão de competidores. No primeiro dia, com a travessia da divisa entre os estados, Itajubá será o destino.

Pegadinha
Quinta-feira será a vez de rumar para Três Corações, de onde os pilotos seguem na sexta para Lavras – em torno da qual foi desenhado o percurso do sábado, aproveitando trilhas de provas tradicionais como o Enduro dos Ipês, com algumas “pegadinhas” para surpreender os fortes pilotos do Sul de Minas, que aparecem entre os favoritos.

Feras como Mário Vignate, o tricampeão Dario Júlio (agora na categoria Over 40) e Álvaro Amarante terão, no entanto, uma concorrência “estrangeira” de peso, encabeçada pelo capixaba Jomar Grecco, que busca seu quarto título na Master, além do paranaense Emerson Loth, vencedor em 2014, e do catarinense Guilherme Cascaes.

 

RÁPIDAS

TEIX

MINEIROS CONCLUEM COM DESTAQUE
A MARATONA DO RALLY DOS SERTÕES

Numa das mais difíceis edições nos 25 anos de história do Rally dos Sertões, com percurso entre Goiânia e Bonito (MS), os mineiros voltaram a se destacar. Nos UTVs, Gustavo Lapertosa/Rafael Zeller ficaram em quarto na categoria Aspirados, enquanto Henrique Gutierrez/André Munhoz venceram a terceira etapa na geral. Entre os carros, Lucas Teixeira/Armando Miranda ficaram em quinto na Pró-Brasil; Antônio Carlos e Maitê Teixeira, pai e filha (foto), em oitavo na Super Production Diesel; Luís Nacif/Filipe Oliveira foram os sétimos na Protótipos T1.

CIRCUITO DOS CRISTAIS RECEBE AS MOTOS
PARA MAIS UMA EDIÇÃO DO TRACKMIX

Iniciantes e pilotos experientes nas duas rodas têm a oportunidade de treinar neste fim de semana nos 4.200m do Circuito dos Cristais, em Curvelo, em mais uma edição do Trackmix. Além de preparatório para a última etapa do GP Gerais, o Mineiro de Motovelocidade, em novembro, o evento proporciona a chance de acelerar com segurança, contando com equipe médica e de sinalização e cronometragem, ao longo de seis sessões de 20 minutos por piloto. Entre as novidades está a colocação de brita e proteções extras em várias áreas de escape do traçado, que já é referência por ter sido projetadopensando na proteção dos motociclistas. Maiores informações pelo Whatsapp (31) 99594-1940.