Uma porta para quem tem dificuldade de ingressar no ensino superior foi aberta neste domingo (22) para mais de 900 pessoas. Bolsas de estudo de até 90% foram distribuídas pelas Faculdades Promove para quem tem conhecimento, mas não conseguiria arcar as mensalidades.

A “Ação Promove”, como é conhecida, também oferece serviços diversos e gratuitos à comunidade. Esta edição do projeto é realizada na Escola Estadual Hilton Rocha, no bairro 1º de Maio, e vai até as 15h. A menor bolsa oferecida é de 30%. As próximas edições do evento serão em 5 de junho em Betim, 12 de junho em Santa Luzia e 10 de julho na unidade Promove de Belo Horizonte.

Bolsas

As bolsas e descontos são concedidas aos candidatos que se destacam nas provas do vestibular unificado, realizado neste domingo. Quanto maior a nota, melhor a chance do interessado. São mais de 30 cursos, como Administração, Direito, Engenharia Civil, Mecânica e de Produção, Gastronomia, Enfermagem, Nutrição, Logística, Recursos Humanos, Gestão em Marketing, Publicidade e Propaganda e Sistemas de Informação.

Além do Promove, instituições parceiras, como Unincor e Faculdades Kennedy oferecem as bolsas. O projeto conta com apoio do jornal Hoje em Dia, do Supermercados BH e da Conecte (Christiano Rocco).

"Quero realizar um sonho, que é estudar Engenharia Elétrica. Sem o financiamento do Promove não seria possível", afirma Welberth Theodoro, de 23 anos.

Financiamento

Segundo Dante Pires Caffagi, diretor-geral da instituição, o financiamento próprio possibilita que o aluno ingresse no ensino superior e pague pouco. As mensalidades são, em média, de R$ 276, podendo ficar ainda menores, dependendo da bolsa conquistada no evento.

Chamado de Plano Mais, o crédito próprio aumenta o prazo para pagamento dos estudos. "Se um curso tem duração de dois anos, ele pode ser pago em quatro, com mensalidade reduzida", explica Caffagi, referência em  Direito.

Mudança social

A educação, conforme o diretor-geral, é capaz de mudar toda uma sociedade. "As Faculdades Promove estão inserindo a população no sistema educacional. Em um momento em que o Fies é reduzido, este tipo de ação se torna ainda mais importante", enfatiza Caffagi.

Personalização

O diretor da instituição de ensino, Paulo Linhares, garante que é possível desenvolver e personalizar grades curriculares para todos os perfis. E bolsos. "Vamos adequar o curso à realidade do aluno. Por isso, convidamos os interessados a conversar conosco", diz Linhares.

 



Outros benefícios, de acordo com ele, são a possibilidade de o aluno desempregado ter uma agência de emprego à disposição e até três meses de mensalidade gratuitas em caso de perda do trabalho.

Valorização

"Sem a bolsa, eu não teria condições de fazer um curso superior. Estou bem preparada, estudei e espero conseguir 90%", afirma Larissa Cristina, de 20 anos.

Antes das provas, Larissa aproveitou para consultar um oftalmologista. "É muito bom que ofereçam estes serviços. Não vou perder a oportunidade", disse a candidata.

Ações de cidadania

Além de aproximar a população do ensino superior, a comunidade tem à disposição oftalmologistas, odontologistas, atendimento jurídico, aferição de pressão e glicose, emissão de documentos, entre outros.

Os serviços serão realizados por cerca de 130 profissionais cedidos pelas Faculdades Kennedy, Promove, Fundação Hilton Rocha, Unincor e Funorte.

A coordenadora do curso de Odontologia da Unincor, Ana Maria Rebouças, comandou o atendimento da área durante o evento. Até as 10h, mais de 90 pessoas passaram pela equipe especializada.

"Fazemos o exame de avaliação e encaminhamos para a clínica da Unincor no Santa Efigênia", diz. Casos de restauração que não envolvem prótese e laboratório são gratuitos.