Um adolescente, de 17 anos, foi apreendido, nesta quarta-feira (31), suspeito de comandar uma fábrica ilegal de cachaça, no bairro Caiçara, região Nordeste de Belo Horizonte. Militares do 34º Batalhão de Polícia Militar descobriram a prática criminosa durante o cumprimento de mandado de apreensão do jovem devido seu envolvimento com tráfico de drogas.

O adolescente “produzia” as cachaças mais tradicionais de Salinas, região Norte de Minas. Com destaque, a cachaça Havana, que pode ter um custo de até R$ 600, dependendo da maturação da bebida.

Segundo o sargento Giovani de Almeida, da 2ª Companhia Tático Móvel do 34ºBPM, o adolescente confessou que estava fabricando cachaça em casa. “Ele disse que adquiria a água ardente de procedência duvidosa e depois misturava a bebida com cravo e canela para escurecer a cachaça e deixar com o sabor similar a original”, explica.

Ainda de acordo com o militar, após a manipulação da cachaça, o jovem engarrafava a bebida, lacrava e utilizava um rótulo semelhante a bebida original. Há a suspeita de que o avô do jovem também realizava a produção ilegal. Após permitir a entrada dos militares dentro do imóvel, o idoso deixou a residência. 

Os militares apreenderam na casa do adolescente sete munição de calibre .32, duas porções de maconha, 142 garrafas falsificadas de Havana já embaladas, seis prensas, quatro caixas com rótulos da cachaça, três tonéis da bebida, dois fardos de embalagens, um carimbo, 14 garrafas vazias, tampas avulsas e selos de autenticação.

Todo o material foi apreendido e o adolescente foi encaminhado para o Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Autor de Ato Infracional (CIA/BH).