O advogado criminalista suspeito de espancar a namorada no bairro Buritis, na região Oeste de Belo Horizonte, deixou a penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, nesta quinta-feira (9), para cumprir prisão domiciliar. 

A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado de Administração Prisional e a decisão é da Sétima Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

Para pedir o benefício, a defesa do criminalista alegou que o estado de saúde do cliente vem se agravando e que ele necessita de tratamento especial. Além disso, a defesa também argumentou que o homem possui bons antecedentes, residência fixa e profissão definida.

Conforme decisão do TJMG, o suspeito foi liberado com uso de tornozeleira e precisa se apresentar à Justiça a cada 30 dias; está proibido de manter contato com a vítima; e deve ficar em casa no período noturno e nos dias de folga. 

O Ministério Público de Minas Gerais opinou contra a prisão domiciliar e deve recorrer da decisão.

Relembre

O crime foi no dia 1º de abril do ano passado. Na época, o suspeito, com 45 anos, tentou matar a ex-companheira após ela terminar o relacionamento, iniciado aproximadamente um ano antes. A decisão de terminar o namoro foi tomada, porque ele estaria ameaçando e agredindo a vítima, segundo o MPMG.

A mulher foi agredida na portaria do prédio onde morava. Ela estava com alguns pertences do ex para entregá-lo. Mas, quando o advogado chegou, a mulher foi surpreendida com socos e chutes, foi derrubada com uma rasteira e pisoteada, inclusive na cabeça. 

Algumas pessoas testemunharam as agressões e socorreram a mulher, que estava desacordada. 

O homem conseguiu fugir do local, mas foi localizado depois e, desde então, estava preso preventivamente na Nelson Hungria. 

Leia mais:
Advogado vai a júri popular por tentar matar a ex-companheira