As 14 mortes recentes por febre amarela e os 23 casos suspeitos acendem um alerta quanto à proliferação da doença também nas áreas urbanas, onde a transmissão pode ser feita pelo Aedes Aegypti, o mesmo mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya. O inseto pode transmitir mais de 50 tipos de vírus. 

A razão de um inseto tão pequeno ser tão versátil e perigoso, segundo a pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz, Rafaela Bruno, é o conjunto de características que ele reúne. Entre elas o bom aparato celular que possibilita o vírus se multiplicar dentro da célula; a saliva anestésica que faz com que o ser humano não sinta a picada; a possibilidade de se alimentar de uma quantidade três vezes maior que o peso que tem, podendo dessa forma picar vária pessoas diferentes e multiplicar o número de infectados; além da fêmea distribuir os ovos em vários pontos diferentes, sendo assim, se ela tiver infectada pode ter grande parte da prole também infectada. 

Conheça as principais características do mosquito:

  • Eles picam mais durante o dia e nas pernas e pés
  • Calor entre 28º e 30º e chuva são a combinação perfeita pra ele
  • As larvas gostam de ambientes escuros
  • É a fêmea que pica, porque se alimenta de sangue; o macho se alimenta de seiva
  • O mosquito está constantemente se adaptando aos hábitos humanos para sobreviver, podendo picar também durante à noite
  • A fêmea, ao contrário dos pernilongos, coloca os ovos em pontos diferentes, espalhando todos os ovos no raio de até 300 metros
  • O Aedes Aegypti pode se alimentar de uma quantidade de sangue até três vezes maior que seu peso; é como se uma pessoas de 50 kg comesse, por dia, até 150 kg
  • Substâncias anestésicas e anticoagulantes fazem com que o mosquito seja capaz de picar o ser humano sem que ele perceba
  • A fêmea voa para se alimentar ou colocar ovos; fora isso, fica parada economizando energia
  • A fêmea tem que ser muito corajosa e audaciosa para picar o homem; é como se o homem quisesse enfrentar alguém do tamanho do Pão de Açúcar, por exemplo
  • O mosquito não sente cheiro, mas identifica odores por meio de duas antenas; a combinação de gás carbônico e ácido láctico, presentes no chulé, pode atrair o inseto

Em Minas

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais informou que, apesar do Aedes Aegypti ser um potencial transmissor em área urbana, não há registro de febre amarela urbana no país desde 1942. O mosquito transmissor nas áreas onde houve registros de casos atualmente é o Haemagogus, que é um mosquito de comportamento silvestre.

Segundo Rodrigo Said, subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde do Governo de Minas, as ações de prevenção e controle contra a Febre Amarela estão sendo desencadeadas principalmente nos municípios onde foram registrados casos e em outros de Minas Gerais que já apresentam registros de morte de macacos em 2016 e 2017, mesmo sem confirmação laboratorial. “Entre as ações, estamos intensificando a vacinação contra febre amarela, atualização dos cartões de vacinação dos moradores das referidas localidades, potencializando as formas de divulgação sobre as medidas de prevenção e controle da febre amarela, além da importância da vigilância sentinela com as epizootias (morte de macacos)”, disse.

Atualmente, cerca de 15 municípios das regiões de Teófilo Otoni, Coronel Fabriciano, Manhumirim e Governador Valadares tem registros de casos suspeitos na zona rural.

Doenças

Febre amarela: É uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por mosquitos, tanto em áreas urbanas e silvestres. Nas áreas urbanas, essa transmissão se dá por meio do mosquito Aedes aegypti, mesmo transmissor da dengue, chikungunya e zika. Em áreas florestais, os principais vetores são os mosquitos Haemagogus e Sabethes. A transmissão acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela ou tomado a vacina contra a doença é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano. Além do homem, a infecção também pode acometer macacos, que podem desenvolver a febre amarela silvestre e ter quantidade suficiente de vírus para infectar mosquitos e assim, infectar o homem.As primeiras manifestações da doença são febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. 

Dengue: Causa febre, dores no corpo, dores de cabeça e nos olhos, falta de ar, manchas na pele e indisposição. Em casos mais graves, pode provocar hemorragias e levar à morte

Chikungunya: Causa febre e dores no corpo, principalmente nas articulações. E alguns sintomas podem permanecer por vários meses. 

Zika: Entre os sintomas estão a febre, olhos avermelhados e coceira característica.Os sintomas não duram mais que sete dias. A febre zika tem relação com a Síndrome de Guillain-Barré, que causa paralisia, além das ocorrências de microcefalia.

Leia mais:
Alerta provoca corrida pela vacina nos postos de BH
Viajantes e foliões devem redobrar cuidados por causa de surto de febre amarela
Confusão entre diagnósticos de dengue, zika e chikungunya preocupa Fiocruz
Belo Horizonte registra a maior epidemia de dengue dos últimos cinco anos
Avanço do Zika e da microcefalia assustam o mundo em 2016