Você já ouviu falar no Baleia Azul ou Blue Whale, como é originalmente conhecido? O macabro jogo que viralizou em parte da Europa e na Rússia faz uma série de desafios aos adolescentes. A última tarefa proposta: suicídio.

Leia agora: 

PM registra caso suspeito de Baleia Azul em Teófilo Otoni

Em Minas Gerais ainda não há relato de casos envolvendo a nova 'moda' das redes sociais, conforme o delegado da Polícia Civil Frederico Abelha. Contudo, a orientação de especialistas é que os pais orientem e monitorem os filhos para evitar tragédias envolvendo o jogo.

No exterior já foram registrados pelo menos três casos de jovens que tiraram a própria vida para finalizar o desafio. Outros tantos foram 'resgatados' antes de concluir o jogo. 

O que é o jogo?

Segundo a imprensa internacional, o Baleia Azul funciona em grupos fechados na internet. Na web, um dos mentores passa a orientação do desafio a ser feito no dia. Dentre as tarefas estão assistir filmes de terror por 24 horas, cortar a pele e desenhar símbolos pré-estabelecidos. O jogo tem duração de 50 dias, com a tarefa mortal.

Acredita-se que o Baleia Azul foi baseado no filme "Laranja Mecânica", clássico que tem uma polêmica cena de lavagem cerebral.

Leia mais:
Jogo mortal Baleia Azul vira 'zoeira' entre internautas brasileiros

baleia azul
Um dos desafios é cortar a pele e desenhar uma baleia

Intervenção

Os pré-adolescentes são mais suscetíveis a entrar no jogo por perderem mais facilmente o senso de realidade. "A cada tarefa concluída ele se sente mais poderoso", observa a psicóloga, psicopedagoga e professora universitária Sylvia Flores. 

A especialista é enfática ao decretar que os pais têm que ter voz ativa com os filhos e proibir certas atitudes, como passar noites em claro e virar o dia na frente de um videogame. "Os pais têm que lembrar qual é o papel deles, porque são crianças, adolescentes. Se for preciso, têm que pedir ajuda profissional", pontua.

Flores alerta que é fundamental que os pais observem quantas horas de sono o filho está tendo. Ela explica que a privação do sono é uma das piores torturas e mais devastadoras na destruição do ego. "O sono faz parte da saúde mental. Quando sofre privação do sono, muito rapidamente a pessoa perde a noção da realidade e entra em estado psicótico", exemplifica. "Essas estratégias podem levar uma pessoa a cometer suicídio", afirma a especialista.

Fiscalização

O delegado Frederico Abelha aconselha que os responsáveis monitorem todas as redes sociais dos menores. "Tem que checar as conversas no WhatsApp e os grupos de bate-papo. É importante saber que grupos seus filhos estão frequentando. Até porque destas conversas, o pai pode ter um indicativo da atitude do filho ou até descobrir uma coisa mais grave, como abuso sexual", enfatizou.

Além disso, o investigador acredita que os pais têm que ser enérgicos na criação, não permitindo, por exemplo, que o filho assista programas de TV e filmes ou jogue video-game que não condizem com a classificação. "Nesta idade, é fundamental também observar as companhias dos adolescentes", completou.

Serviço

O Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo. O serviço funciona 24 horas por dia pelo telefone 141, por e-mail, chat ou Skype.