O conjunto arquitetônico da Pampulha ganhou o reconhecimento internacional. Porém, para ficar com a chancela, será preciso manter o que foi conquistado até aqui e oferecer melhorias. Alguns gargalos, reconhecidos pela própria prefeitura, já começam a ter soluções.

Um dos problemas que deverá ser resolvido em até três meses é a falta de um ônibus ligando a Casa do Baile, o Iate Tênis Clube, a Igreja São Francisco de Assis e o Museu de Arte. De acordo com o diretor de Promoção Turística da Belotur, Gustavo Mendicino, uma nova linha saindo da Estação do Move Pampulha poderá circular em breve.

Mais perto ainda de acontecer está a reabertura de quatro banheiros desativados na Praça Dino Barbieri, em frente à Igrejinha. “A Regional Pampulha começou, no início da semana, a reforma do espaço, que deve voltar a funcionar em meados de agosto”, conta Mendicino. Atualmente, existem sete banheiros públicos na orla, alguns deles dentro dos equipamentos culturais.

Outra melhoria, ainda no prazo de 90 dias, será a implantação de uma faixa de pedestre em frente à Casa do Baile.

Limpeza da lagoa é uma das principais metas buscadas pela gestão pública

Considerada por muitos até então como empecilho para a conquista do título de patrimônio cultural da humanidade, a degradação da Lagoa da Pampulha foi citada pelos técnicos da Unesco no dia do anúncio da chancela. Vencê-la, inclusive, é um dos principais desafios da Prefeitura de Belo Horizonte para manter o reconhecimento, que será reavaliado em três anos pelo órgão internacional.<EM>

A administração pública garante que a despoluição do espelho d’água está adiantada. Seguindo o cronograma, será possível a prática de esportes náuticos já em 2017. O prefeito Marcio Lacerda até prometeu velejar na represa.

A limpeza também possibilitará a implantação de um táxi aquático. O trajeto, de acordo com a proposta que está sendo formatada pela Fundação Municipal de Cultura (FMC), começará na Igrejinha, passará pela Casa do Baile e vai terminar no Museu.

Esgoto

Em nota, a Copasa informou que 90% do esgoto gerado pelos imóveis dos 170 bairros na bacia da Pampulha, em Belo Horizonte, e em Contagem, na Grande BH, serão coletados, interceptados e tratados com a conclusão das obras restantes do Programa de Despoluição da empresa. A previsão é dezembro deste ano.

Para atingir outro percentual, de 95%, serão implantados, a partir de agosto, mais 13 quilômetros de novos equipamentos com a interligação de 10 mil moradias ao sistema de esgotamento sanitário. As obras serão concluídas em dez meses.

Segundo a companhia, 10, 7 mil imóveis da capital e de Contagem não estão interligados ao sistema.

Leia mais:
Quinze casas modernistas podem receber blindagem do patrimônio municipal
Pampulha, pra que te quero? Visita aos monumentos aumenta expressivamente após tombamento mundial
Roteiro pela Pampulha tem zoo, aquário de água doce, Jardim Japonês e boliche
Bares e restaurantes têm alta de 25% no primeiro fim de semana após o título
Ensaio fotográfico: os olhares sobre ela
Campeã no ranking de venda de imóveis: Facilidades atraem novos moradores
Em meio à crise no setor, reservas em empreendimentos na Pampulha sobem 30%
Reduto de novas oportunidades: crescimento da região amplia potencial de ganho para empreendedores
Em ritmo de festa, capital celebra a chancela: programação especial e gratuita marca conquista