A Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) divulgou nesta sexta-feira (30) o último balanço do ano sobre a dengue em Belo Horizonte. Em 2016, a capital mineira registrou 154.765 casos confirmados da doença. O número é o maior desde que a SMSA começou a realizar o Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), em 2011.

No ano passado, a quantidade de pessoas que foram infectadas pelo vírus da dengue não passou de 15.749. Isso significa que em um ano, a epidemia teve um crescimento de 883%. E esse número pode aumentar, já que ainda existem 2.396 casos notificados em 2016 pendentes de resultados.

Segundo a SMSA, a regional com o maior número de casos confirmados é a Barreiro, com 25.575 ocorrências, seguida pela Nordeste (21.038) e Leste (20.631). O total de óbitos por dengue este ano chegou a 61.

Chikungunya

Entre janeiro de dezembro, foram confirmados 42 casos de chikungunya em Belo Horizonte. 23 deles são de pessoas que se infectaram no município e os outros 19 são importados. Há ainda oito notificações da doença em investigação.

Zika

Até o momento 542 contraíram a zika na capital. 575 casos estão pendentes de resultados. Foram investigadas e descartadas 414 notificações.

Microcefalia

Este ano, foram registrados 103 bebês com microcefalia para investigar a associação com o zika vírus, em BH. Nenhum desses casos foi confirmado. Do total, 63 são de residentes da capital, sendo que 10 foram descartados por critério laboratorial. Os outros 53 permanecem em análise. Os demais casos são em residentes de outros municípios.

Leia mais:
Chikungunya é o maior desafio de saúde pública em 2017, diz ministro
Sobe para 61 o número de mortes por dengue em Belo Horizonte
Fiocruz inicia produção de teste simultâneo de zika, dengue e chikungunya