Uma mulher de 63 anos morreu após ter a casa atingida por um muro, na manhã desta quarta-feira (16), no bairro Santo Antônio, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Esta pode ser a primeira morte por desmoronamento, desde o início do período chuvoso, em outubro deste ano, na capital, segundo o Corpo de Bombeiros.

O tenente Sérgio Magalhães, que atendeu a ocorrência, disse que a chuva dos últimos dias pode ter contribuído com a queda do muro. "A estrutura já era antiga e por ser antiga já estava abalada. Mas talvez a questão da chuva tenha fortalecido um pouco mais essa situação", explicou. 

O sobrinho da vítima, Luiz Carlos Murta, contou que a tia, Ângela de Fátima Fernandes, morava em um barracão nos fundos da casa dos pais, o pai de 83 e a mãe de 84, que tinha Alzheimer. Segundo Lucas, o pai de Ângela acordou por volta das quatro da manhã para tomar café, quando olhou pela janela, viu a casa no chão e chamou o Corpo de Bombeiros.

Lucas disse ainda que a família chamou a  Defesa Civil, várias vezes, por causa de problemas no muro, que faz divisa com o prédio ao lado. "Eles vieram aqui e falaram que era infiltração. Depois que acontece, todo mundo quer fazer bonito", desabafou.

Muro desaba

Ângela de Fátima Fernandes,63, dormia na hora do acidente.

A Defesa Civil informou que realizou uma vistoria no local no dia 17 de agosto e foram constatadas infiltrações no muro de divisa com Edifício Ipê Amarelo. De acordo com laudo, havia lama com odor semelhante a esgoto sanitário. 

O prédio também foi vistoriado e foram observadas caixas de captação hidrossanitárias próximo à divisa entre os imóveis. A síndica Ludmila Hasparyk foi notificada a contratar profissional particular para avaliação e solução do problema. Procurada pela reportagem do Hoje em Dia, ela confirmou que recebeu a notificação. Disse que todas as providências solicitadas pela Defesa Civil e que eram de responsabilidade do prédio tinham sido tomadas.  "Não teve conserto de muro. Teve uma infiltração e a infiltração foi consertada. Não foi muro que a gente arrumou. Nós consertamos uma infiltração", afirmou. 

No dia oito de setembro, uma nova vistoria foi feita e foi constatado risco na casa de Ângela, com trincas de aparência mais antiga. A moradora também foi notificada a contratar profissional habilitado para avaliação e reforma do muro. Segundo familiares, eles ainda não tinham contratado esse profissional. Estavam aguardando o período chuvoso passar.

Três viaturas do Corpo de Bombeiros atenderam a ocorrência nesta quinta-feira. Por volta das 7h30 da manhã, o local foi isolado para perícia. Foi constado que o muro de divisa caiu e atingiu o quarto onde Ângela dormia. Médicos do Samu tentaram reanimar a vítima, que não resistiu aos ferimentos e morreu. "O que caiu sobre a vítima foi somente a muro da casa, considerando a estrutura que estava abalada por conta da idade da construção", informou Magalhães, tenente do Corpo de Bombeiros. 

A Polícia Civil também esteve no local e vai investigar de quem é a responsabilidade. 

Leia mais:

Morro desaba em obra no bairro Novo São Lucas
Defesa Civil deve decidir amanhã se moradores de prédio do Buritis poderão voltar para casa
Chuva recorde acende alerta em 2.100 mil imóveis de BH