O ex-goleiro Bruno Fernandes de Souza começou a atuar nesta segunda-feira (7) em sua nova função: professor de futebol para crianças e adolescentes carentes. De acordo com a Secretaria de Administração Prisional de Minas Gerais (Seap), o atleta, que foi condenado a 22 anos por mandar matar a ex-amante Eliza Samudio, deixou o presídio de Varginha, no Sul de Minas, por volta das 6 horas, e esta será sua rotina a partir de agora diariamente.

Do complexo prisional, localizado na avenida Eugênio Paiva Ferreira, no bairro Padre Vitor, ele seguiu para a rua Nepomuceno, no bairro Jardim Andere, onde funciona o Núcleo de Capacitação para a Paz (Nucap). É lá que Bruno vai passar a maior parte do tempo.

A Justiça mineira autorizou o ex-goleiro a trabalhar no Nucap de segunda a sexta-feira, das 7 às 17 horas. No 'novo emprego', Bruno vai ensinar adoescentes e jovens a jogar futebol em uma quadra que fica no local.

Restrição

O ex-goleiro não poderá deixar o local e nem ter acesso a pessoas estranhas, que não sejam alunos, funcionários ou familiares dos estudantes. A cada três dias em que o atleta atuar no Nucap, ele terá um dia abatido no tempo em que resta para ficar atrás das grades. Inicialmente, Bruno irá trabalhar no local por um ano. 

Ao autorizar a soltura provisória para que Bruno trabalhe, o juiz da 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais de Varginha determinou que o presídio encaminhe à Justiça, a cada três meses, a folha de frequência do atleta.

O Nucap atende reeducandos e suas famílias, além de egressos do sistema prisional. Atualmente, a instituição atende aproximadamente 60 crianças, todos filhos de condenados. O espaço oferece para as crianças e adolescentes alimentação, reforço escolar, além de atividades extracurriculares como futebol.

Leia mais:
Ex-goleiro Bruno vai dar aulas de futebol para crianças e adolescentes presos em Varginha
Bruno só poderá ir para regime semiaberto a partir de 2019

Relembre

O jogador é apontado como autor do assassinato de Eliza Samúdio, com quem teve um relacionamento e um filho. Ela desapareceu em 2010, aos 25 anos, e foi considerada morta pela Justiça. O corpo nunca foi encontrado. Na época, o goleiro atuava no Flamengo. 

Em 2013, ele foi condenado a 22 anos e três meses pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, sequestro e ocultação de cadáver. O amigo Luiz Henrique Romão, conhecido como Macarrão, também foi condenado.

Em fevereiro deste ano, o ministro do STF, Marco Aurélio Mello, concedeu uma liminar determinando a soltura de Bruno para que pudesse recorrer em liberdade. Mello destacou que ele já somava seis anos e sete meses de prisão sem que tivesse sido condenado em segunda instância.

Porém, ao derrubar a liminar, a Primeira Turma do STF considerou que a soltura de Bruno vai contra a decisão soberana do júri popular, que negou ao goleiro o direito de recorrer de sua condenação em liberdade.