Mais de 300 pessoas compareceram ao santuário de Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, Região Metropolitana de Belo Horizonte, nesta sexta-feira (28), para acolher os restos mortais da Irmã Benigna Victima de Jesus. A cerimônia foi realizada para lembrar os 35 anos de falecimento da mineira de Diamantina, que está em processo de beatificação no Vaticano.

Logo no início da tarde, os fiéis receberam a urna, com os restos mortais da irmã, rezando Salve Rainha, oração usada pela religiosa para ajudar a todos que a procuravam. Em seguida, foi realizada uma procissão até a capela do santuário, onde ocorreu uma missa em homenagem à Benigna.

Nascida em 1907 como Maria da Conceição Santos, Irmã Benigna tornou-se religiosa da congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade e dedicou a sua vida a ajudar os mais necessitados, em hospitais, asilos e nas casas de pessoas que a procuravam por alguma dificuldade.

Após sua morte em outubro de 1981, foi criada a Associação dos Amigos da Irmã Benigna (Amaiben) e os responsáveis pela entidade começaram a receber vários relatos de milagres feitos por Benigna. Diante disso, a Amaiben encaminhou um pedido ao vaticano para transformar a religiosa em santa. Devido ao exemplo de vida, Irmã Benigna recebeu o título de Serva de Deus e aguarda que um de seus milagres seja comprovado para se tornar beata.

Leia mais:
Memorial Irmã Benigna vai ser construído na Serra da Piedade, em Caeté

De acordo com o padre Fernando César do Nascimento, esse processo representa um momento histórico para a igreja e para os fiéis, que poderão ter um exemplo como o da Irmã Benigna Victima de Jesus para se espelhar.

“Isso significa a gente reafirmar a graça concedida àqueles que, de fato, vivem a fidelidade e a obediência ao evangelho. E é esta graça que a Irmã Benigna Alcança, é essa graça que, através dela, somos nós também convidados a alcançar, a sermos fiéis e obedientes como ela foi”, ressalta o padre.

No sábado (29), os restos da religiosa deixam a capela do santuário de Nossa Senhora da Piedade para, finalmente, ser exposto na congregação onde ela viveu. Para marcar a chegada, também será realizada uma procissão e uma celebração eucarística.