Com uma bíblia nas mãos e lágrimas escorrendo pelo rosto, o goleiro Bruno foi fotografado por um batalhão de profissionais da imprensa, enquanto iniciava o julgamento no Fórum de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O atleta é acusado da morte de Eliza Samudio e irá dividir o banco dos réus com a ex-mulher, Dayanne do Carmo, acusada do sequestro e cárcere privado do filho da modelo, em 2010.

Enquanto chorava, Bruno foi consolado por um dos advogados que até entregou um lenço para que ele pudesse enxugar as lágrimas. Durante as fotos, o réu, aparentemente abatido, chegou a ler alguns trechos em voz baixa. Se condenado, a pena do ex-atleta poderá chegar a 41 anos.

"Hoje está muito difícil segurar, ele está desesperado", disse a atual mulher de Bruno, Ingrid Calheiros, que assistia a cena em uma cadeira do plenário. Ingrid chegou cedo ao fórum, acompanhada de outras mulheres. No mesmo salão, assistia a cena, a mãe de Eliza, Sônia de Fátima Moura. "Foi tudo teatro, aquilo me irritou. Acredito que seja uma forma de convencer que ele não teve culpa.", afirmou Sônia sob tom crítico.

Imprensa

Durante um curto espaço de tempo, a juíza Marixa Fabiane Rodrigues, responsável pelo julgamento, permitiu que jornalistas entrassem no salão do júri para registro de imagens. Com o intuito de dificultar os flashes, Dayanne pediu ao advogado que se posicionasse estrategicamente na sua frente. A sessão foi interrompida por Marixa para que todos pudessem almoçar e foi retomada por volta das 14 horas.