Com o objetivo de chamar a atenção para o modelo de mobilidade urbana adotado em Belo Horizonte e alertar para possibilidades capazes de melhorar o trânsito na cidade, cerca de 50 ciclistas fizeram uma pedalada, sexta-feira (11), da Praça da Estação, no Centro, à avenida Pedro I, na região de Venda Nova, na capital. Após a pedalada, os manifestantes pintaram uma faixa escrito "não foi um acidente". A faixa foi afixada na parte que restou do viaduto.
 
O destino do ato, batizado como Pedalada – Não Foi Um Acidente, foi o Viaduto Batalha dos Guararapes, que veio abaixo no último dia 3. O manifesto foi organizado pelo movimento Tarifa Zero e apoiado pelos grupos BH em Ciclo – Associação dos Ciclistas Urbanos de BH e Massa Crítica.
 
Para Juliana Galvão, integrante do Tarifa Zero, é preciso mostrar à população que a cidade não existe apenas para receber veículos, mas, sobretudo, para ser explorada por pedestres e pessoas em outros meios de locomoção.
 
 
“Ir de bicicleta foi a maneira que encontramos de chamar a atenção para que tipo de mobilidade urbana está sendo construída em Belo Horizonte. Queremos um transporte coletivo que possa atender à população de maneira mais ampla e eficaz”, afirma.
 
Associada ao BH em Ciclo, Thaís Junqueira acredita no ciclismo como modelo ideal para a mobilidade urbana na capital. “A tragédia do viaduto revela um projeto de transporte voltado somente para os carros. Apostamos em um modelo mais alternativa e democrático, acreditamos na bicicleta como solução”, diz. 
 
*Com informações de Patrícia Santos Dumont - Hoje em Dia