Principal época de diversão para os foliões de todo Brasil, o Carnaval é um evento que produz muito lixo. Após o feriado, é comum observar nas ruas uma variedade de latinhas vazias, garrafas de plástico, recipientes de vidro quebrado, bitucas de cigarro, rótulos e outros panfletos. Mas a festa não precisa ser assim: com pequenas mudanças de hábitos, a população pode evitar o desperdício e aproveitar a ocasião sem poluir as vias públicas.

Consumo consciente é importante, inclusive, para não ter gastos desnecessários com o feriado prolongado. Confira algumas dicas para passar o carnaval com tranquilidade e sem prejudicar a cidade e o meio ambiente. 

1) Jogue o lixo no lixo

Procure sempre lixeiras e postos de recolhimento de resíduos para descartar o que consumiu no Carnaval. As ruas também ficam repletas de catadores de latinhas, que te ajudam a dar um destino adequado aos recipientes de bebidas. O lixo jogado nas vias entope bueiros e aumenta os riscos de enchentes. Além disso, ele pode ser nocivo até mesmo para os foliões. Então, nada de deixar garrafas de vidro dando sopa por aí.

2) Recicle

Uma alternativa interessante para o descarte de garrafas, latinhas, copos e recipientes de vidro é a reciclagem. Se a festa foi em casa, separe embalagens de vidro, plástico, metal e papel para coleta seletiva. Outra alternativa é guardar em uma sacola ou mesmo na bolsa os resíduos para descartá-los corretamente. A reciclagem gasta muito menos energia elétrica do que a produção de novos itens. Ao reciclar latinha de alumínio, por exemplo, é possível economizar 95% da energia usada para produzir uma nova lata a partir do minério. 

3) Menos lixo

O próprio folião pode produzir menos lixo e evitar o consumo exagerado no Carnaval. É possível optar, por exemplo, por itens não descartáveis. Leve sua própria caneca e evite os copos plásticos. Após a festa, as prefeituras precisam limpar a cidade e têm altos custos com coleta de lixo - recursos financeiros que poderiam ser investidos em outras áreas. 

4) Reutilize a fantasia

Se você já montou fantasias em carnavais anteriores e está pensando em sair a caráter novamente, que tal reutilizar os panos e adereços que já tem em casa? Uma boa dica é trocar com amigos: veja o que eles têm para complementar sua fantasia e montar uma completamente nova. Além de ser mais consciente, você irá economizar o dinheiro que seria gasto em uma roupa recém-comprada.

5) Economize água

Muitas cidades recebem turistas para curtir o Carnaval e costumam ter problemas de abastecimento hídrico durante a festa devido ao aumento do consumo de água. Faça sua parte: tome banhos rápidos e, se possível, desligue o chuveiro para lavar e ensaboar os cabelos. Além disso, evite brincadeiras que resultarão em desperdício de água. 

6) Tire da tomada

Se você vai viajar no Carnaval, desligue os aparelhos eletrônicos de casa. Tirando televisão, microondas, computadores e carregadores de celular da tomada, você economizará energia. O desperdício provocado por itens ligados em stand by pode representar até 20% do consumo médio de energia elétrica dos equipamentos.

7) Respeite a população local

Separar o feriado para fazer programas turísticos e visitar outras cidades é uma boa ideia, desde que a visita seja feita com bastante respeito aos moradores do lugar. Cuide do município como sua casa e aja sempre com educação. Aproveite para conhecer os costumes, a comida típica, a história e as atividades das pessoas que vivem na cidade. 

8) Cuidado ao pegar a estrada

Se os planos são viajar de carro, saia em horários de menos trânsito e faça uma vistoria geral no seu veículo. Você poderá viajar com segurança e reduzirá, inclusive, os gastos com combustível e a emissão de gases de efeito estufa. Com pneus calibrados corretamente, o motorista pode economizar até 20% da gasolina ou do álcool. Outra dica importante é tentar organizar a viagem com outras pessoas que estão indo para o mesmo local: isso reduz a quantidade de carros nas estradas e os riscos de acidentes. 

Fonte: Instituto Akatu 
ONG voltada para a mobilização da sociedade para estilos sustentáveis de vida e consumo consciente