Desvalorização da categoria, baixos salários, violência em sala de aula. Essa realidade, comum em todo país para os profissionais da educação, tem desestimulado o interesse pela carreira. Segundo o Ministério da Educação, o déficit de professores nos níveis fundamental e médio chega a 170 mil docentes. Esse é um dos assuntos que serão discutidos a partir de hoje em BH, no Educativa 2015.

Os desafios preocupam os profissionais. Entre os jovens que estão escolhendo uma profissão é cada vez menor o número dos que optam pela licenciatura.

Em 2006, por exemplo, enquanto mais de mil pessoas se inscreveram para o vestibular do curso de Ciências Biológicas da UFMG, em 2013 foram apenas 298. Em história, a queda foi de 588 para 200 no mesmo período.

“É reflexo da falta de valorização. Infelizmente, um professor com doutorado, por exemplo, não recebe nem perto o que ganha um médico. Poucos municípios pagam o piso nacional da carreira, que já é baixo. A profissão é pouco atrativa financeiramente”, avalia a presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação de Minas Gerais, Elizabeth Cota.

Segundo ela, os baixos salários e a falta de incentivos também impedem que os professores possam se qualificar mais. Na rede estadual de ensino de Minas, 22.856 dos 136.617 docentes não possuem licenciatura.

Violência

A violência e as condições ruins de trabalho também são frequentes na vida deles, diz o coordenador pedagógico e especialista em educação Fernando Cutova. “O professor está exposto a inúmeras situações, como ter que lidar com alunos ligados ao tráfico, com a evasão escolar. Vulnerabilidades que refletem na violência que o professor pode passar dentro de sala de aula e nem sempre está preparado para isso”.

Educativa 2015

Essas e outras questões serão discutidas no Educativa 2015, maior feira educacional de Minas Gerais, que acontece de hoje a domingo no Minascentro. Na programação, nove seminários.

O evento é direcionado a todo o público da educação básica. Podem participar educadores, pedagogos, coordenadores, supervisores e gestores de escolas públicas e privadas.