A comissão especial da Câmara Municipal de Belo Horizonte que estuda o Anel Rodoviário avalia a possibilidade de implantar áreas de escape para caminhões com problemas nos freios e que podem causar acidentes na rodovia. O assunto vai ser discutido em reunião marcada para esta quarta-feira (13) com a Via 040, concessionária responsável pela administração do Anel.

Na semana passada, a comissão também entregou ao Ministério Público de Minas Gerais (PMMG) um relatório com sugestões para o enfrentamento do problema.

Segundo o vereador Irlan Melo (PR), que requereu a visita técnica à Via 040, a construção dessas áreas de escape deu resultados no Anel de Integração do Paraná, trecho que liga Curitiba ao litoral. O recurso de segurança teria sido utilizado quase 700 vezes, o que evitou prejuízos materiais e contribuiu para preservar centenas de vidas.

Ainda na reunião desta terça-feira (12), a comissão enviou um pedido de informação à Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão para receber uma cópia da ação civil pública a respeito do reassentamento de famílias da Vila da Paz e de outras comunidades situadas em área de risco, às margens do Anel Rodoviário, bem como informações a respeito dos demais processos conduzidos pelo Ministério Público Federal sobre a via. A expectativa é que os dados ajudem nas ações de fiscalização da comissão especial.

O Anel Rodoviário de Belo Horizonte tem 26 quilômetros de extensão e faz a ligação entre quatro rodovias que passam pela Grande BH. Atualmente, 10,7 quilômetros são administrados pela concessionária Via 040 e o restante pelo Dnit. 

Leia mais:
Novo engavetamento entre carretas e carros no Anel deixa pista interditada no Betânia
Má conservação e imprudência retiram de circulação quase 2,4 mil veículos do Anel Rodoviário de BH
Mais de 20 veículos são autuados no Anel Rodoviário de BH durante blitz
Mais de 200 pessoas ficaram feridas em acidentes no Anel no primeiro trimestre do ano