Seis pessoas morreram em decorrência da febre chikungunya em Governador Valadares, na Região do Rio Doce, de acordo com boletim da Secretaria de Estado da Saúde, divulgado nesta segunda-feira (21). Na última publicação, há quinze dias, eram cinco mortes, sendo que, em todos os casos, há registro de doenças pré-existentes. 

Os óbitos apresentaram ainda faixa etária acima dos 65 anos e ocorreram no primeiro trimestre do ano, coincidindo com o período de maior incidência. Além desses, o Estado possui outros 16 óbitos que estão em investigação, conforme informações da SES/MG. 

Em 2017, até o momento, foram noticiados 17.994 casos prováveis de chikungunya. 

Dengue e zika

O boletim da SES-MG traz também o levantamento de casos relacionado à dengue e ao zika vírus. De acordo com documento, foram registrado até agora 25.463 casos prováveis de dengue, 13 pessoas morreram e 13 seguem em investigação. 

Quanto ao zika, foram registrados 764 casos prováveis, sendo 121 em gestantes. 

Leia mais:
Casos de dengue, chikungunya e zika se mantêm estáveis na capital
Casos de chikungunya têm alta de mais de 4.300% em Minas