O Conjunto Moderno da Pampulha recebeu oficialmente nesta quarta (17), o certificado da Unesco de Patrimônio Mundial, com o conceito inédito de Paisagem Cultural do Patrimônio Moderno. A entrega ao prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, foi realizada no Museu de Arte da Pampulha e contou com a presença do ministro da Cultura, Marcelo Calero, pelo diretor do Departamento Cultural do Ministério das Relações Exteriores, ministro George Firmeza, pela presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Kátia Bogéa, e pelo presidente da Fundação Municipal de Cultura (FMC), Leônidas Oliveira.

Para o prefeito Marcio Lacerda, a data é muito significativa para Belo Horizonte e Minas Gerais. "Esse reconhecimento tem uma longa história, que começa com a inovação e o espírito vanguardista de Juscelino Kubitschek, apoiado na criatividade e no brilhantismo de Oscar Niemeyer, Burle Marx, Cândido Portinari e tantos outros", celebrou. O prefeito ressaltou também a projeção da capital mineira em nível mundial. "O título reafirma a posição de Belo Horizonte no mapa mundial e isso é muito importante para a atração do turismo, a criação de emprego e renda e, principalmente, para o reforço da nossa autoestima como mineiros e brasileiros", completou.

O Conjunto Moderno da Pampulha foi reconhecido como Patrimônio da Humanidade no dia 17 de julho, durante a 40ª reunião do Comitê do Patrimônio Mundial, em Istambul, na Turquia, após decisão consensual dos 21 países que integram o grupo.

De acordo com a coordenadora de Cultura da Unesco no Brasil, Patrícia Reis, a entrega oficial do título simboliza o reconhecimento do sucesso da candidatura feita por Belo Horizonte e celebra uma conquista inédita para Brasil. "O título de Paisagem Cultural do Patrimônio Moderno conquistada pelo Conjunto Moderno da Pampulha é o primeiro do Brasil e ele é entendido por integrar harmonicamente obras de arte, paisagismo e arquitetura. Essa é a sua particularidade", destacou. Todas as etapas do processo da candidatura foram cumpridas e avaliadas pelo Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco.

Leia mais

Exposição na Casa do Baile mostra a Pampulha pelo olhar de Juscelino Kubitschek
Tombamento de casa projetada por Niemeyer na Pampulha definido junto com entrega do título da Unesco
Conjunto moderno da Pampulha receberá certificado de Patrimônio Mundial

 

O conjunto

Formado por uma paisagem que agrega quatro edifícios articulados em torno do espelho d'água de um lago urbano artificial, o conjunto moderno da Pampulha é integrado pela Igreja de São Francisco de Assis, o Cassino (atual Museu de Arte da Pampulha), a Casa do Baile (Centro de referência em urbanismo, arquitetura e design de Belo Horizonte) e o Iate Golfe Clube (Iate Tênis Clube), todos bens construídos entre 1942 e 1943.
 
A área que abriga o conjunto moderno era parte de uma antiga fazenda, responsável pelo abastecimento agrícola da cidade de Belo Horizonte. Loteada e urbanizada na década de 1940, tornou-se um empreendimento modernizador que atraiu a atenção de vários intelectuais e artistas de todo o Brasil, por promover uma interação entre arquitetura, artes plásticas e paisagismo.
 
Inspirado nas concepções do suíço Le Corbusier (pseudônimo de Charles-Edouard Jeanneret-Gris), criador dos Cinco Pontos da Nova Arquitetura – planta livre, fachada livre, pilotis, terraço jardim e janelas em fita –, Niemeyer planejou os edifícios do conjunto. Por sua vez, Roberto Burle Marx teve como influência os ideais do resgate da identidade nacional e as vanguardas europeias das artes.