Três crianças, sendo dois meninos e uma menina, todos de 9 anos, que estudam na Escola Municipal Dominguinhos Pereira, em Montes Claros, no Norte de Minas, tiveram que tomar um coquetel de remédios preventivos, após furarem os dedos com pequenas agulhas, que foram achadas por um colega em uma rua próxima a um centro de saúde.

"As agulhas eram coloridas e pequenas, precisava apertar para que elas saíssem. E segundo o menino que trouxe os objetos, ele as encontrou perto de um posto de saúde", contou a diretora Solange Afonso Mota. 

A ocorrência foi na última segunda-feira (9) e, nesta sexta (13), a diretora Solange esclareceu que todos os alunos que tinham se ferido estavam bem. "O pai de um deles trouxe inclusive o resultado de um exame feito após o fato e me mostrou que estava tudo bem com o filho", contou. 

Segundo Solange, os objetos estavam dentro da mochila do aluno e só foram percebidos pela professora depois que uma aluna falou que um colega estava com o dedo sangrando. "Tomamos todas as providências necessárias. Entramos em contato com o Centro de Referência em Doenças Infecciosas para saber como proceder, procuramos pelos pais e as crianças foram encaminhadas para exames. De acordo com os médicos da cidade, o remédio preventivo deve ser tomado em até 72 horas depois do fato. 

O descarte de objetos de uso hospitalar como as agulhas deve obedecer critérios regulamentados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Eles devem ser depositados em recipientes de paredes rígidas, resistentes à ruptura, com tampa, devidamente identificados com o símbolo internacional de risco biológico. Já as agulhas descartáveis devem ser desprezadas juntamente com as seringas.

Na Polícia Militar, não foi registrado nenhum boletim de ocorrência. Na Prefeitura de Montes Claros, ninguém atendeu às ligações.