Um restaurante-escola, onde estudantes podem aprender, na prática, técnicas de cozinha, coquetelaria e apresentação dos alimentos. A partir do segundo semestre deste ano, alunos da graduação tecnológica em gastronomia da Faculdade Promove poderão utilizar a instalação durante as aulas.

A novidade complementa um currículo recheado de disciplinas para que os estudantes possam experimentar as diferentes áreas de atuação na carreira. O coordenador do curso, professor Jackson Cabral, conta que, a cada semestre, os aprendizes recebem uma certificação profissional. 

Ao fim do primeiro período, o aluno é reconhecido como auxiliar de cozinha. Nas etapas seguintes, ele recebe autorização para atuar nas áreas de alimentos e bebidas, organização de eventos gastronômicos, panificação e confeitaria e gestão da gastronomia.

“No final do curso, com todos os certificados, o estudante recebe o diploma de gastrólogo”, explica. Outro diferencial, segundo o professor, é o investimento em pesquisa.

“Existem poucos trabalhos acadêmicos e estudos na área da gastronomia. Para incentivar a produção, cada um dos alunos deve produzir um artigo científico e apresentá-lo a uma banca”, ressalta Jackson Cabral. Após a aprovação, a turma é incentivada a participar de congressos.

“Nós temos disciplinas que preparam os estudantes para ir além da cozinha. No curso, eles estudam fotografia na alimentação, empreendedorismo, direitos humanos, consultoria, além das matérias tradicionais de cozinha francesa, italiana, mediterrânea, panificação e confeitaria”, explica Jackson.

Estágio

Não é só na capital mineira que os estudantes de gastronomia têm a oportunidade de botar a mão na massa. Igor Corrêa cruzou o oceano Atlântico para fazer estágio em uma empresa do ramo alimentício em Portugal.

Ele e outros sete alunos do Promove foram selecionados para passar três meses na Sine Qua Non, empresa que gerencia a cozinha de restaurantes em Lisboa, onde está localizada, e em outras localidades da Europa.

“O curso de gastronomia me fez crescer muito profissionalmente. Como ele não se direciona apenas para cozinha, mas também para a formação de um gestor de restaurante, consegui vir para Portugal e trabalhar como chef”, conta Igor. 

O gastrólogo, que agora vive no Velho Continente, lembra que foi contratado logo após o fim dos estudos e do estágio. Agora, no segundo semestre, outros alunos da faculdade poderão participar da experiência.

A cada semestre, o curso recebe cem novos alunos. “O estudante vai poder atuar em qualquer área, seja como gestor, empreendedor, cozinheiro. Ele tem um amplo conhecimento para ajudá-lo nessa empreitada. Basta descobrir qual caminho quer seguir”, acrescenta Jackson Cabral.