A Diocese de Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas, afastou o padre Bento Mateus Borges, após denúncias de fiéis de que o religioso estava pedindo dinheiro emprestado. Segundo a nota, "o comportamento do referido sacerdote, que age e fala em nome e em benefícios próprios, não tem nenhuma aprovação de nossa parte; a necessidade de estabelecer penalidades medicinais para estes comportamentos nos levou a retirar dele o 'uso de ordens' por tempo indeterminado e a determinar sua interdição", informou a Diocese.

Ainda segundo a igreja, o padre continua recebendo a remuneração que todo clérigo tem direito a receber. Além disso, ele tem estadia, alimentação e cuidados, oferecidos pela Diocese.

Quanto à medida imposta ao religioso, a Diocese informa que "não há nenhuma postura exagerada ou estranha da parte da Diocese nas medidas tomadas, pois o padre foi advertido inúmeras vezes sobre seu modo de agir".

A equipe de reportagem do Hoje em Dia tentou falar com o padre que não atendeu as ligações. Na igreja onde ele celebrava as missas, a Paróquia Sant'Ana de Itaúna, ninguém quis falar sobre o afastamento. Na página da igreja, aparece apenas o comunicado do afastamento do padre. A atendente informou que o relogioso por enquanto não está falando sobre o caso.

Leia a nota da Diocese na íntegra:

Diante das irregularidades que envolvem a pessoa e o nome de Pe. Bento Mateus Borges, a Diocese de Divinópolis, na pessoa do seu Bispo Diocesano, que ouviu antes o Conselho Presbiteral Diocesano, tem a declarar o seguinte:

1) O comportamento do referido sacerdote, que age e fala em nome e em benefício próprios, não tem nenhuma aprovação de nossa parte;
 
2) A necessidade de estabelecer penalidades medicinais para estes comportamentos nos levou a retirar dele o “uso de ordens” por tempo indeterminado e a determinar sua interdição;
 
3) Ele continua recebendo as côngruas (remuneração) que todo clérigo tem direito a receber. Além disso, ele tem lugar de estadia, alimentação e cuidados, oferecidos pela Diocese;

4) Não há nenhuma postura exagerada ou estranha da parte da Diocese nas medidas tomadas, pois o padre foi advertido inúmeras vezes sobre seu modo de agir;
 
5) Os limites impostos a Pe. Bento Mateus Borges são os seguintes: celebrar a Eucaristia só privadamente; suspensão para o exercício de quaisquer outros atos ministeriais (Batismo, Confissão, Unção dos Enfermos, Matrimônio e outros); obrigação de residir no apartamento da Mitra Diocesana, no Centro Diocesano de Pastoral, onde terá a assistência devida.
 
6) Qualquer outra informação sobre esta situação deve ser perguntada e dada, por primeiro, pelo próprio padre. Ele sabe o histórico, os motivos e as consequências destas medidas.
 
A todos pedimos que a comunhão orante entre nós nos ajude nos muitos enfrentamentos e desafios da missão de cada um de nós. A todos abençoo,

Dom José Carlos de Souza Campos.
Bispo Diocesano de Divinópolis