Juiz de Fora está em alerta. Em menos de uma semana, dois macacos foram encontrados mortos na cidade da Zona da Mata, reforçando a suspeita de febre amarela no município. Em todo o Estado, já há confirmação de 21 cidades onde o vírus da doença circula. Em outras 26, a enfermidade é investigada. O segundo primata foi localizado por moradores de Juiz de Fora, neste sábado (6), em uma rua do bairro Vitorino Braga.

Conforme a Polícia Militar de Meio Ambiente, somente o rabo do animal foi encontrado pela corporação. De acordo com os militares, o membro do primata foi recolhido e entregue ao setor de Zoonoses da Subsecretaria de Vigilância em Saúde, que pertence à Secretaria Municipal de Saúde.

Responsável por exames de isolamento viral nas vísceras de primatas, a Fundação Ezequiel Dias (Funed) explicou que em casos como esse cabe ao município realizar a necropsia do animal. Se a cidade não tiver estrutura para proceder com os exames, os restos do primata devem ser encaminhados a Belo Horizonte.

Esse é o segundo caso de macaco encontrado morto desde o início do ano em Juiz de Fora. O primeiro, ocorreu no último dia 3, nas dependências do Parque Museu Mariano Procópio. O animal foi enviado para análise na Superintendência Regional de Saúde (SRS), que, por sua vez, direciona os restos mortais à Funed, em BH.

Desde então, o local encontra-se interditado, conforme determina protocolo da Secretaria de Estado de Saúde (SES), condição na qual permanecerá por pelo menos 30 dias, até que a avaliação técnica do animal seja concluída.

Precaução

Como medida de segurança, a vacinação nas proximidades do museu também foi reforçada, assim como a aplicação de inseticida específico em um raio de 150 metros do local. 

A Secretaria de Estado de Saúde informou que ainda não teve conhecimento do animal localizado nesse sábado. A notificação tanto da SES quanto da Funed deve ocorrer no início da próxima semana. 

O Hoje em Dia não conseguiu contato com a Prefeitura de Juiz de Fora nem com a Secretaria de Saúde do Município. 

Febre Amarela

 

Leia mais:

Circulação da febre amarela em Minas leva a reforço nas ações preventivas