Casas para moradia popular, novas creches, ginásios poliesportivos, mais postos de saúde, bibliotecas, abrigos para animais de rua, aumento do policiamento. A lista pode parecer uma série de reivindicações de um morador antigo de qualquer capital do país, mas se trata dos presentes que crianças de 10 e 11 anos dariam a BH neste 120º aniversário, comemorado hoje.

Apesar da pouca idade, alunos do 5° ano da Escola Municipal Hélio Pellegrino, no bairro Guarani, região Norte de BH, esbanjam consciência e preocupação com o bem comum. A pedido do Hoje em Dia, os estudantes produziram redações revelando as prendas que ofereceriam à cidade e o resultado foi surpreendente.

A noção de cidadania, explícita no texto de cada uma das crianças, deixou claro que não é preciso ser adulto para entender os direitos e deveres essenciais para que a vida em sociedade seja mais harmoniosa.

O grande afeto dos pequenos pela metrópole também ficou nítido. Além dos textos, todas as folhas entregues ao fim da atividade continham desenhos de coraçõezinhos, rostos sorrindo, balões coloridos e dizeres como “Eu te amo, BH”.

Sonhos

A estudante Evelyn dos Santos, por exemplo, falou sobre o sonho de passear por calçadas mais seguras no futuro e destacou a necessidade de investimento em segurança pública. “Querida Belo Horizonte, gosto muito de você e queria te dar de presente mais policiais nas ruas porque está tendo muito roubo”, escreveu.

Cleiton Fernandes, por sua vez, lembrou o quanto é importante a oferta de atividades esportivas para manter meninos e meninas longe do mundo do crime. “Belo Horizonte merece ganhar mais ginásios poliesportivos porque o esporte tira as pessoas do mau caminho”.

Até a relação entre a escola e a família foi apontada como uma preocupação. A aluna Mariana do Carmo escreveu: “quero dar a BH mais creches para as mães se despreocuparem com os filhos quando estiverem no trabalho”.

Em meio a variados pedidos, uma unanimidade: projetos para oferecer mais cuidado aos animais de rua. “Gostaria de dar à BH mais postos veterinários e abrigos para cães e gatos que sofrem todos os dias e noites no frio e na chuva”, redigiu Gabrielle Restani. 

Gargalo

Morando em uma cidade grande que enfrenta congestionamentos diários no trânsito, os estudantes lembraram da necessidade de investimento em mobilidade. O jovem Taylor Santos afirmou que a capital merece ganhar um fluxo de veículos mais organizado. “Quero oferecer a BH mais semáforos, radares e podas das árvores que tampam as placas de trânsito”.

Por fim, a garantia de segurança no atendimento em saúde também entrou na lista de presentes. “Queria dar a BH mais segurança nos centros de saúde e nas regiões de periferia”, escreveu o aluno João Victor Ribeiro.

Kalil destaca investimentos em segurança, lazer e educação

Os esforços para que todos esses presentes se tornem uma realidade para BH estão sendo feitos. Pelo menos é o que garante o prefeito da capital, Alexandre Kalil. Na área da segurança, segundo ele, a mudança na forma de atuação da Guarda Municipal foi uma das principais ações para combater a criminalidade.

A cidade tem hoje 2.065 guardas municipais, mas a intenção da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) é contratar mais mil agentes. Um concurso público está sendo preparado. Kalil, no entanto, ressalta que o problema da segurança “não vai ser resolvido de uma hora para outra”, já que a responsabilidade é também do governo do Estado e da União.

No campo do esporte, o prefeito revela que está em fase de elaboração, com recursos do governo federal, projetos de reforma de três campos de futebol em bairros da região Leste de BH. As intervenções devem ocorrer nas instalações do Mineirinho e Riviera, ambos no Alto Vera Cruz, e no Espaço Esportivo João Amazonas, no Mariano de Abreu.

Desafios

Alexandre Kalil destacou, ainda, que um dos maiores desafios da PBH no primeiro ano da atual gestão tem sido aumentar ao máximo a oferta de vagas na educação infantil, usando a estrutura já existente. “Desde o início deste ano, a rede municipal de educação conseguiu abrir cerca de 17 mil vagas, integrais e parciais, em unidades próprias e em creches parceiras. Mais do que construir, estamos aproveitando melhor o que já temos na cidade”, afirmou.

Ações

De acordo com a PBH, outras ações importantes também prestes a sair do papel estão ligadas ao atendimento aos moradores de rua. O Plano Municipal Intersetorial de Atendimento à População em Situação de Rua trabalha nas diversas áreas das políticas públicas como saúde, educação, moradia, segurança alimentar, trabalho e renda e assistência social.

“Estamos criando duas novas unidades de acolhimento para pessoas em situação de rua no hipercentro da capital com a oferta de 120 vagas”, afirmou o prefeito Alexandre Kalil.

Além disso, a PBH faz a esterilização gratuita de cães e gatos. Hoje, a Rede SUS-BH conta com um Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e quatro espaços de esterilização, sendo que o da regional Norte funciona no CCZ. Há ainda, segundo a PBH, uma Unidade Móvel de Castração que tem capacidade para realizar aproximadamente 400 cirurgias por mês.