O escrivão Cláudio Roberto Weichert Passos, suspeito de ter matado a ex-namorada dentro da Câmara Municipal de Contagem, na manhã desta quarta-feira (16), é descrito como um profissional exemplar por colegas de profissão. Ele era tão respeitado em Betim, onde trabalhava, que chegou a receber, em 2015, o Diploma de Cidadania Honorária.

Após matar a tiros a assessora parlamentar Ludimila Leandro Braga, Cláudio tentou se matar com um tiro na cabeça, mas foi socorrido e levado até o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII. Ainda não há informações sobre o estado de saúde do escrivão, que tem um filho de 7 anos.

O policial civil entrou na Câmara Municipal de Contagem e se dirigiu até o gabinete do vereador Jerson Braga, o Caxicó, onde a ex-namorada trabalhava. Ele atirou contra ela e tentou se suicidar em seguida. Ludimila tinha duas filhas, de 3 e 6 anos, era separada, e havia namorado Cláudio por cerca de um ano. Há um mês, os dois haviam se separado e o policial não aceitava o término.

Por meio de nota, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) informou que todas as providências cabíveis quanto ao crime já estão sendo tomadas. As investigações se iniciaram imediatamente após o fato e estão sob responsabilidade da Delegacia de Homicídios em Contagem. Informa ainda que, em momento oportuno, os resultados da investigação serão repassados à imprensa e que os trabalhos investigativos estão sendo acompanhados pela Corregedoria-Geral de Polícia Civil.

Leia mais:
Policial civil executa ex-namorada dentro da Câmara de Contagem e tenta se matar em seguida