Após o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) decretar falência do Porcão do Rio de Janeiro, várias especulações sobre o fechamento da unidade de Belo Horizonte foram feitas nas redes sociais. No entanto, o presidente do Grupo Meet, Fernando Júnior, garantiu que a churrascaria da capital mineira não será afetada pelo ocorrido.

Segundo Fernando, o Porcão de BH não tem ligação com a churascaria carioca, apenas o nome usado na franquia. “São empresas diferentes, CNPJs diferentes. Não temos nenhuma ligação com eles a não ser a marca, que temos direito de usar porque temos contrato de franquia”.

Apesar da notícia negativa, Fernando Júnior disse que é possível ver um lado positivo neste fato. “A gente percebe que a gestão mineira foi uma gestão de sucesso”. Diante disso, ele afirmou que seu objetivo agora é reerguer a marca através da unidade de Belo Horizonte.

Para isso, o presidente do Grupo Meet fechou contrato para a utilização do nome Porcão por mais 20 anos. Ele também revelou que fará mudanças na infraestrutura da churrascaria. “A ideia é investir na unidade trocando mobiliário, parquinho das crianças, material de apoio, fazendo um bar e criando uma boutique de carnes”.

Agora que o Porcão de Belo Horizonte não está mais ligado a um modelo de franquia, Fernando planeja fazer modificações também em alguns pontos que eram padronizados pelos donos da marca. “Agora nós teremos mais liberdade para investir no que achamos que é mais certo. Franquia, geralmente, é engessada, então poderemos mudar alguma coisa no cardápio, trabalhar um corte diferente, elevando a qualidade da unidade de BH”.

Além disso, ele também revelou que lançou nesta terça-feira (14) uma promoção voltada para os cariocas. De acordo com Fernando, todo cidadão do Rio de Janeiro que visitar a capital mineira nos próximos três meses terá direito a um desconto de 20%.

Entenda

Na última terça-feira (7), o juiz em exercício na 7ª Vara Empresarial do Rio, Paulo Assed Estefan, decretou a falência da empresa Porcão Licenciamentos e Participações e da sua incorporadora Brasil Foodservice Manager. A ação foi proposta pelo Hard Rock Café, que cobra do Porcão o pagamento da dívida de R$ 682 mil.

Segundo o TJRJ, o valor havia sido repactuado entre as duas empresas de uma dívida total de R$ 4,8 milhões. O Hard Rock Café apresentou nos autos um Instrumento Particular de Confissão de Dívida e informou que, mesmo após o título ser protestado, o Porcão não quitou o valor, caracterizando-se assim a inadimplência.

Na decisão, o juiz Paulo Assed considerou legítima a alegação de impontualidade no pagamento no pedido do Hard Rock Café e usou como base as inovações da Lei de Falências, que diz que o pedido pode ser feito quando uma empresa tem um crédito protestado superior a 40 salários mínimos, independente de comprovação de insolvência financeira.

*(Com Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro)