Uma semana após a tragédia de Janaúba, no Norte de Minas, quando o vigia de uma creche ateou fogo no próprio corpo e em dezenas de crianças que estavam na instituição, famílias das vítimas ainda estão choque. O crime deixou um saldo de pelo menos 11 mortes, sendo nove alunos da instituição.

Em meio à crueldade que tirou a vida de inocentes, a solidariedade tem se multiplicado, com mensagens de carinho e apoio aos envolvidos. Outro ponto que tem se destacado é o socorro prestado nas unidades de saúde do território mineiro. Os casos mais graves tem sido levados para o Hospital de Pronto-Socorro (HPS) João XXIII, em BH. Lá, há sete pessoas internadas, sendo cinco crianças e dois adultos.

Em nota divulgada na manhã desta quarta-feira (11), a Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) agradeceu a todo o corpo clínico, direção e servidores dos hospitais João XXIII e João Paulo II, que "com muita competência e dedicação, atenderam imediatamente às vítimas da tragédia de Janaúba", informa o texto.
 
Outras instituições que têm oferecido amparo também foram lembradas pela Fhemig, como o Hospital Fundajan, Santa Casa de Misericórdia de Montes Claros, Secretaria de Estado de Saúde, Secretaria Municipal de Saúde de BH, SAMU, Bombeiros, Polícia Militar, Hospital Universitário Clemente de Faria, Hospital Odilon Behrens e Hospital Risoleta Neves.