Referência em atendimento infantil no Estado, o Hospital João Paulo II (HIJPII), em Belo Horizonte, contará com 45 novos pediatras até o fim de junho deste ano. Os profissionais nomeados participaram de um treinamento na Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), na última terça-feira.

A entrada dos médicos traz esperança de um vigor novo na instituição, diz o presidente da Fhemig Jorge Nahas. “Isso depende de quem é contratado, da capacidade da instituição de absorver, da nossa capacidade de estimular, de orientar, de alguma maneira premiar e reconhecer o trabalho do bom profissional. Acho que isso é um desafio, um excelente sinal da capacidade de decisão do Governo de Minas de reforçar a Fhemig”, afirmou.

Cerca de 60 mil consultas são realizadas por ano no Hospital Infantil João Paulo II; a média na unidade, que é referência pediátrica no Estado, é de mais de 160 atendimentos diários

Nahas lembrou que a unidade não realizava contratações há muitos anos. “São contratações por via de concurso, não uma mão de obra temporária. Isso vem reforçar muito o sistema de urgência e emergência na Região Metropolitana de Belo Horizonte”.

Mesmo com as contratações, a equipe não será ampliada, conforme explicou o diretor do hospital, Luís Fernando de Carvalho. “Nossa equipe está completa. Os médicos nomeados vêm para substituir os terceirizados, que foram contratados há algum tempo”. Ainda segundo Luís Fernando de Carvalho, esse vínculo com o funcionário efetivo permite novos passos para a melhoria e reorganização do hospital. 

Recepção

Em mensagem de boas vindas aos funcionários da instituição, Jorge Nahas, também falou dos desafios pelos quais a Fhemig vem passando.

“Hoje, vivemos um momento de transição, um momento difícil, em que temos que modernizar as instituições da Fundação. Não só os prédios, os equipamentos, mas também as relações de trabalho, o olhar sobre o paciente”, disse o presidente da Fundação.

Nesse contexto, Nahas falou também sobre o trabalho realizado no hospital. Conforme o diretor, a carreira é muito instigante e compensadora para a maioria dos que atua no João Paulo II. “Espero, do fundo do coração, que vocês tenham uma boa acolhida no hospital, que consigam enriquecer aquela instituição, que é um patrimônio do povo mineiro”.

Atualmente, a unidade conta com quase 900 funcionários efetivos, 144 leitos e realiza entre 4 mil e 6 mil internações por ano, uma média de 450 por mês e 15 internações por dia, além de cerca de mais de 60 mil consultas por ano.