Blocos de rua de Belo Horizonte e o governo do Estado estão unidos contra o assédio e os acidentes de trânsito e na rede elétrica na capital mineira durante o Carnaval deste ano. Em parceria com a Cemig e a Belotur, representantes de 12 grupos produziram marchinhas sobre os temas. A apresentação das canções ocorreu ontem, no Palácio da Liberdade, onde o governador Fernando Pimentel recebeu os músicos.

Durante os cortejos deste ano, os grupos irão exibir estandartes com mensagens voltadas para o combate ao assédio, a defesa da diversidade, da paz e da segurança dos trios, além da responsabilidade no trânsito.

Fernando Pimentel destacou que Belo Horizonte tem, hoje, uma festa baseada na tolerância e lembrou a parceria com a prefeitura. “É importante criarmos esse ambiente de segurança sem tirar a espontaneidade, a alegria, o espaço de convivência fraterna”, completou.

“Essas campanhas vêm consolidar a base do que já fazemos pelas ruas. Demorou mais de 110 anos para BH ter um Carnaval do jeito que tem, e não vamos perder isso tão fácil” (Aluizer Malab, presidente da Belotur)

Temáticas

Representantes dos 12 blocos participaram do encontro com o governador. Tchanzinho Zona Norte e o Bloco do Pescoção desenvolveram marchinha sobre o assédio. Já o Me Beija que Eu Sou Pagodeiro e o Angola Janga abordaram a temática sobre diversidade. 

O Bloco da Calixto e o Volta Belchior cantaram sobre paz no Carnaval. Chama o Síndico e Havaianas Usadas reforçaram a importância de não dirigir se beber. A segurança da rede elétrica e dos trios elétricos foram o tema de quatro grupos: Então, Brilha; Unidos do Samba Queixinho; Lindo Bloco do Amor e Juventude Bronzeada.

A campanha também abrange a divulgação de mensagens educativas no formato de marchinhas criadas pelos blocos. Elas estão sendo veiculadas em mais de 300 rádios mineiras, em redes sociais e pelos próprios grupos.

Também está prevista a distribuição para os foliões de leques com os seis temas da ação educativa.

Coletivo

Diretor de Relações Institucionais e Comunicação da Cemig, Thiago Camargo ressaltou que a proposta de aproximação da campanha com o público já apresenta resultados. “Tivemos retornos positivos dos blocos e acredito que essa ideia, que foi desenvolvida com a Cemig e os blocos, pode permanecer, ser mantida e ampliada nos próximos carnavais”, afirmou. 

O secretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo, lembrou que o crescimento da festa na capital mineira demandou uma integração entre o governo do Estado e a prefeitura. “O crescimento do Carnaval impõe essa articulação, a participação de todos, inclusive do Estado. Temos que somar esforços. O Estado tem bom diálogo com a prefeitura e tem essa sensibilidade para ver o que está acontecendo na cidade”. 

O presidente da Belotur, Aluizer Malab, destacou o crescimento do número de bandas e de público na cidade e a importância de preservar esse movimento.

De acordo com o gestor, Belo Horizonte se tornou o sexto destino mais procurado pelos foliões neste ano, ganhando, inclusive, de Recife. “Esse crescimento é muito importante e a gente inicia o ano com muita alegria, geração de emprego e de renda”, frisou Malab.

A cantora Aline Calixto lembrou a importância da união de forças entre poder público e artistas. “Espero que, daqui para frente, com o Estado e a prefeitura, a gente possa ter cada vez mais diálogo, transparência nas ações e construir junto em prol de todos os blocos”.