Com sérias dificuldades financeiras, o Hospital da Baleia, na região Leste da capital, está suspendendo 50% dos atendimentos. Com a medida, o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Belo Horizonte e Região Metropolitana (Sindeess) estima que cerca de 400 trabalhadores corram o risco de serem demitidos. A instituição, porém, nega essa possibilidade. 

Referência em tratamentos oncológicos e pediátricos, o hospital tem em usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) 85% da demanda. A dívida da unidade chega a R$ 58 milhões, sendo R$ 13 milhões com fornecedores e R$ 45 milhões com bancos. 

Nesta semana, a presidência da instituição enviou um comunicado aos funcionários, cerca de 1.100, chamando atenção para os problemas financeiros. Por conta disso, o hospital irá “suspender as consultas eletivas e cirurgias de baixa e média complexidade”.

A instituição garante que os atendimentos oncológicos, de nefrologia e do Centro de Tratamento de Fissuras Labiopalatais e Deformidades Craniofaciais, mesmo pelo SUS, seguem normalmente. 

A agenda de marcação de consultas e cirurgias eletivas foi suspensa. A dona de casa Jéssica de Santana, de 46 anos, lamentou. Ela estava com consulta ortopédica marcada para quarta-feira, mas recebeu um telefonema avisando sobre a transferência para outra unidade de saúde.

Sem dinheiro
Segundo o diretor do Sindeess, Willian Mourão, o problema veio à tona depois que a direção do hospital comunicou aos funcionários que não teria dinheiro para o pagamento da primeira parcela do 13º salário. “Agora, além de pagar em atraso o benefício, temos a possibilidade de demissões”. 

Em nota, a instituição informou que há um ano negocia com o Estado e o município a situação financeira. A direção da Secretaria Municipal de Saúde disse que não foi notificada a respeito da suspensão do atendimento para pacientes do SUS. Afirmou ainda que os repasses para o Baleia seguem regulares e que “está em diálogo constante com a diretoria do hospital”. 

A Secretaria de Estado de Saúde também informou que não recebeu o comunicado da suspensão dos atendimentos. Segundo o órgão, para este ano estava previsto R$ 1,9 milhão a serem pagos em três parcelas. Duas já foram pagas, em julho e novembro. A última aguarda avaliação de cumprimento de metas do hospital para que seja efetuada. 

O Hospital da Baleia ainda receberá uma parcela extra – de acordo com a resolução 5508/2016 publicada no último dia 6 – de R$ 807.034,00, ainda sem data prevista. A assessoria do Baleia informou que as notificações foram entregues no início deste mês.