A Polícia Civil de Pará de Minas, na região Central do Estado, ouviu nesta terça-feira (18) a namorada do jovem de 19 anos, que na semana passada tirou a própria vida. Segundo testemunhas, ele participava do Baleia Azul. O jogo macabro, que acontece em comunidades fechadas na internet e que prega o suicídio como tarefa final, foi apontado como o 'responsável' pela morte do mineiro.

O delegado Carlos Henrique Bueno, responsável pelo caso, colheu depoimento da mulher, mas o teor não foi divulgado por questão de segurança. Além dela, a mãe do jovem também já foi ouvida pela polícia. Ambas confirmaram que o jovem integrava um grupo do jogo mortal.

Segundo a polícia, mais de 20 pessoas participavam do grupo. A corporação espera que o laudo pericial do celular da vítima fique pronto nesta quarta-feira (20). O documento servirá como peça fundamental para o prosseguimento das investigações. 

Ao longo da semana mais depoimentos estão previstos.

Crime

A polícia apura se houve induzimento, instigação ou auxílio ao suicídio.  A pena para o crime varia entre 1 e 3 anos, mas pode ser dobrada em caso de agravantes.

Baleia Azul

No jogo mortal, os participantes devem seguir uma série de 50 desafios. Dentre eles cortar a própria pele, se fotografar do alto de um prédio e, por fim, tirar a própria vida. O Baleia Azul foi criado na Rússia e suspeita-se de que esteja relacionado à morte de vários adolescentes por lá.

Leia mais:
Perícia em celular de possível vítima do Baleia Azul em Minas fica pronta na quarta-feira
Mãe de jovem morto que jogava Baleia Azul em Pará de Minas diz que filho tinha planos para o futuro
Polícia investiga grupo de Whatsapp do Baleia Azul do qual fazia parte jovem morto em Pará de Minas