O julgamento da validade de certidão de óbito de Eliza Samudio e reavaliação de pena do goleiro Bruno Fernandes, previsto para esta quarta-feira (13), foi adiado para o dia 27 de setembro, após o pedido de vistas do desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Corrêa Carmago, revisor dos recursos. 

A defesa de Bruno tenta anular a certidão de óbito de Eliza Samudio e, assim, o julgamento que sentenciou o ex-goleiro. O documento foi expedido em janeiro de 2013 pela juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues depois que "Macarrão" confessou que a ex-amante de Bruno havia sido assassinada.

A defesa alega ainda que os 22 anos e três meses impostos a Bruno não condizem com os 15 anos aplicados a Luiz Henrique Romão, o "Macarrão", que também confessou participação no crime.

O caso

Eliza Samudio desapareceu em 2010 e o corpo dela nunca foi achado. Ela tinha 25 anos na época e era mãe do filho recém-nascido do goleiro. Na ocasião, o jogador era titular do Flamengo e não reconhecia a paternidade. Em 2013, Bruno foi condenado a 22 anos e três meses pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio, pela ocultação do cadáver e também pelo sequestro do filho.

Leia mais:
Justiça julga nesta 4ª validade de certidão de óbito de Eliza Samudio e reavalia pena de Bruno