Uma bebida milenar criada 220 mil anos antes de Cristo é a nova moda entre as blogueiras do mundo fitness. O kombucha (pronuncia-se kombutchá) tem ganho cada vez mais adeptos no Brasil por seus diversos benefícios para a saúde. O principal deles é auxiliar no tráfego gastrointestinal. Como reflexo do bom funcionamento do intestino está o aumento da imunidade, da sensação de bem-estar e do emagrecimento.

Para quem não conhece, o kombucha é um chá fermentado probiótico. Ainda não ficou claro? Então vamos explicar. O líquido é repleto de organismos vivos (fungos) que quando ingeridos exercem efeito benéfico no balanço da flora bacteriana intestinal. Porém, se ingerido da forma errada, o chá pode provocar efeitos colaterais indesejados, como diarreia.

A nutricionista Jordânia Castanheira Diniz,  especialista em Nutrição Clínica Funcional e Esportiva, alerta que o consumo deve ser indicado e acompanhado por um especialista. "O kombucha é uma bedida ácida, fermentada e refrescante. Ele contém ácidos importantes para a flora intestinal, além de algumas vitaminas, aminoácidos e antibióticos naturais. Mas se não houver uma alimentação adequada para ele fazer adesão ao intestino, não vai adiantar de nada".

Como fazer

A base do kombucha é scoby, uma colônia de bactérias que se parece com uma placa gelatinosa de coloração marrom. A partir dela, as bactérias e as leveduras vão procriar e gerar a fermentação do chá. Para fermentar e crescer, o scoby precisa de açúcar. "Recomendo o uso do açúcar mascavo ou demerara", orienta Diniz.

Segundo a especialista, o chá pode ser produzido em casa. Ela orienta o uso de uma colher de sobremesa de açúcar, um saquinho de chá preto ou chá verde para 250 ml de água. "A água deve ser fervida. Depois de desligado o fogo, o chá deve ser colocado para infusão. Somente após esfriar é que o scoby deve ser colocado. Se você colocar (o scoby) no chá quente vai matar os microorganismos", ensina. 

Ela alerta que deve-se ficar atento também para a qualidade da água e do chá (que também pode ser usado em folha). "Se um deles não for adequado para o uso, a bebida deixa de ser saudável", alerta. Além disso, de acordo com Diniz, o scoby deve ser guardado em vasilha de vidro, nunca em utensílios de plástico.

Graziela Soares Darmstädter - kombucha
 Graziela Darmstädter toma o kombucha diariamente e é só elogios ao chá

Há dois anos, Graziela Soares Darmstädter, de 37, se rendeu ao kombucha. E a usuária é só elogios ao chá. Ela, inclusive, credita à bebida a melhora da depressão. "O intestino é o segundo cerébro, né? E como o kombucha tem bactérias que ajudam a absorver melhor os nutrientes, ele me deu mais ânimo e sensação de bem-estar". Os benefícios, segundo relatou, foram além. "Melhorou a minha circulação e meu cabelo cresceu", comemorou.

Darmstädter cultiva o scoby em casa e faz doação para quem tem interesse. Nas redes sociais, inclusive, existem vários grupos e comunidades que divulgam os benefícios do kombucha e oferecem o scoby para doação.

Jordânia Castanheira Diniz frisa que somente o nutricionista pode indicar a dosagem para cada pessoa. Para fazer o cálculo, o profissional avalia, por exemplo, quanto de fibra o paciente precisa. "No geral, é bom tomá-lo duas vezes ao dia, sendo que os melhores horários são pela manhã e à noite. E não se deve ingerir mais de 200 ml por dia", explica.

Em caso de superdosagem, o kombucha pode desequilibrar a flora intestinal, provocar diarreia, gases e dar espaço para entrada de bactérias ruins. "Nenhum alimento pode ser trabalhado de forma irresponsável. O usuário precisa entender para que ele serve para usá-lo de forma segura. Por isso, é arriscado apenas se render ao apelo das blogueiras", defende.

Apesar de ser conhecido como o chá da saúde, o kombucha não é indicado para todo mundo. Ele não é recomendável para grávidas, mulheres que estão amamentando, crianças menores de 6 anos e alcóolotras em recuperação, informou a nutricionista

'Parente do kefir'

O kombucha tem o mesmo princípio do kefir, que é tratar o intestino. As duas bebidas também são semelhantes por sofrerem o mesmo processo de fermentação. Saiba mais sobre o kefir no link abaixo.

A moda do kefir: mitos e verdades sobre o whey protein natural

Kombucha 
Kombucha está em alta nas redes sociais