Um dos líderes do bloco "Me Beija que Eu Sou Pagodeiro", que teria recebido ameaças por e.mail após um ensaio no fim de semana, esteve nesta terça-feira (24) na sede da Belotur para pegar o comprovante de cadastro do bloco, feito pela internet e que garante a instalação de banheiros químicos no local, além da segurança dos foliões. "Faço isso todos os anos, apesar de não ser obrigatório. É uma forma de me garantir e evitar problemas. Ando com esse documento comigo no dia do evento", explica. 

No cadastro, o representante do bloco deve inserir dados como percurso e estimativa de público. Para o carnaval de 2017, a expectativa é que esse público supere o do ano passado, subindo de 15 mil para 20 pessoas. Por causa do aumento de foliões, o trajeto também foi alterado. "Vamos sair da avenida Francisco Sá, na altura do número 1001, até a praça Leonardo Gutierrez", conta Matheus.

No último domingo (22), por volta das 20h, foi registrado um princípio de confusão no local onde estava sendo realizado um pré-carnaval. Após o incidente, Matheus contou que recebeu um e.mail com os seguintes dizeres: "Não queira arrumar problemas com quem é muito superior a você em influência e justiça". 

Por meio da página do Facebook, o bloco se manifestou sobre o ocorrido do domingo (22): "O Bloco Me Beija Que Eu Sou Pagodeiro esclarece que não tem nenhuma ligação com os carros de som espalhados pela Av. Francisco Sá, durante o dia de hoje (22). Nosso ensaio aconteceu de forma tranquila e harmoniosa num Estacionamento, na mesma rua, número 1001, com portas fechadas, onde arrecadamos fundos para o nosso cortejo que acontecerá no próximo mês. Somos a favor de um carnaval limpo, cheio de amor, alegria, e acima de tudo, com muito respeito ao próximo".

O músico disse que não registrou Boletim de Ocorrência, mas publicou a ameaça em seu perfil na Internet.

* (Por Cinthya Oliveira e Liziane Lopes)

Veja o e.mail que Matheus teria recebido:

me beija que eu sou pagodeiro

Leia mais:
Líder do bloco Me Beija que Eu Sou Pagodeiro é ameaçado